PrimeWork (Ano VII)

Liderança, Atitude, Desafios, Ações e Conquistas para o Empreendedor Moderno

  • About

    O Mundo todo celebra uma grande capacidade humana de empreender.

    Do mesmo modo que é vibrante, a estrada do empreendedor é repleta de obstáculos. Quer para abrir ou fazer crescer um negócio próprio, quer para avançar propositivamente dentro de uma corporação.

    Nesse sentido este blog busca preencher com informações, entrevistas e cases de sucesso pessoal e corporativo as muitas lacunas que se abrem quando surge o tema da iniciativa pessoal dos negócios.

    Esperamos que este blog, possa de alguma forma contribuir para o crescimento dos empreendedores.

    Haroldo Wittitz, Editor and Publisher

    The whole world celebrates a great human capacity to undertake.

    Similarly that is vibrant, the way to entrepreneurship is fraught with obstacles. Want to open or grow a business, want to move forward with proposals within a corporation.

    In this sense seeks to fill this blog with information, interviews and success stories of the many personal and corporate loopholes that open when the subject arises from the personal initiative of business.

    We hope this blog, can somehow contribute to the growth of entrepreneurs.

  • Enter your email address to follow this blog and receive notifications of new posts by email.

  • Tópicos recentes

  • Agenda

    outubro 2012
    D S T Q Q S S
    « set   nov »
     123456
    78910111213
    14151617181920
    21222324252627
    28293031  

Archive for outubro \31\UTC 2012

Brasileiro lança clube global de empreendedorismo

Posted by HWBlog em 31/10/2012

Brasileiro lança clube global de empreendedorismo

Com o objetivo de formar jovens empreendedores usando um modelo novo que respeite as características de cada indivíduo, o empresário brasileiro Ricardo Bellino, autor do livro You Have 3 minutes, publicado no Brasil pela Editora Campus Elsevier, fundou o clube de empreendedorismo global, denominado ‘School Of Life’ (Escola da Vida). O projeto foi inspirado no “La Masía” do Barcelona Futebol Clube, escola de formação de talentos do clube espanhol.

“School Of Life está para o empreendedorismo tal qual La Masía do Barça está para o futebol. Buscamos os Messi, os Dani Alves, os, Xavi do mundo do empreendedorismo. O Brasil, por seu grande número de talentos, será o primeiro mercado de atuação do nosso clube de empreendedores”, afirma Bellino, que, dentre outras atividades, foi o primeiro sócio comercial da Trump Organization fora dos Estados Unidos.

Com sede em Silicon Valley, a School of Life é uma multiplataforma (on-line e off-line), cuja âncora será um jogo (The Game of Life), que irá provocar e desafiar seus participantes com tarefas reais – transmitindo conhecimento e educação durante todo o processo. Os talentos extraordinários receberão prêmios, como a possibilidade de ser convidado a participar de uma experiência de um mês no Vale do Silício – com mentoring, coaching, aulas, visitas técnicas e um evento final para apresentação dos talentos à imprensa e investidores.

O clube de empreendedores também atuará por meio de “Street Talks”, palestras com empreendedores de renome, realizadas em diferentes partes do País e do mundo. O projeto da School Of Life foi desenvolvido pelo centro de criatividade e inovação Imagine, que tem sede no Vale do Silício, sob a supervisão de outro brasileiro, o jornalista Anderson Hartmann, publisher da Cachaça Comunicações.

“Nosso desafio foi criar um novo modelo de educação que rompa a linearidade e padronização da metodologia de ensino e contemple um aprendizado coletivo que respeite as características de cada indivíduo. Como as novas gerações estão mais preocupadas em aproveitar o caminho, criamos uma comunidade online com um game interativo e personalizado que oferece um aprendizado contínuo baseado na metologia Learn by Playing”, informa Hartmann, destacando que trabalhou no projeto ao lado do publicitário espanhol Natx Ayxelá e do mexicano Pablo Quijano, fundador do Movimento “Wallpeople”.

De acordo com Bellino, na School Of Life todos têm espaço: pessoas de diferentes idades, de distintas nacionalidades e de todas as classes sociais, basta ter talento e acreditar no impossível. “School Of Life apresenta uma proposta disruptiva de desenho educativo do futuro para empreendedores. O resultado do trabalho da equipe de ‘dreamers’ que criou a metodologia é sensacional, com espaço inovador, inspirador, personalizado e divertido na era pós-digital”, destaca Hugo Pardo Kuklinski, professor da Universidade de Stanford, um dos mentores do grupo que criou o clube de empreendedores. O site http://postdigital.imagine.cc/ traz informações sobre o projeto. Há dicas também em facebook.com/imaginecc.

La Masía

“La Masía de Can Planes” é uma antiga casa de fazenda por onde passaram mais de 500 jogadores nos últimos 30 anos. Responsável pelo modelo de desenvolvimento de talentos do time do Barcelona, Oriol Tort decidiu transformar o local numa residência para jovens promissores em 1979. O objetivo da iniciativa visionária, pioneira no futebol europeu, é desenvolver os jogadores não apenas como atletas, mas principalmente como pessoas. A preocupação é a de reunir jovens não só com talento para o esporte, mas com empenho em vencer e capacidade de trabalhar em equipe.

Bellino viajou aos 21 anos de idade para os Estados Unidos como carteiro da DHL para concretizar um sonho. Sem nenhum tostão no bolso e sem saber falar uma palavra de inglês, tinha uma boa ideia na cabeça: levar para o Brasil a agência de modelos Elite. Anos depois, seu primeiro empreendimento revelaria para o mundo a modelo Gisele Bündchen, entre outras estrelas do mundo da moda e da beleza. Bellino também foi sócio comercial do bilionário Donald Trump e agora alça novos voos com a Escola da Vida.

Ricardo Bellino, CEO School of Life

Brazilian club launches global entrepreneurship

Aiming to train young entrepreneurs using a new model that respects the characteristics of each individual, the Brazilian entrepreneur Ricardo Bellino, author of the book You Have 3 minutes, published in Brazil by Editora Campus Elsevier, founded the club of global entrepreneurship, named ‘ School Of Life ‘(School of Life). The project was inspired by “La Masia” of Barcelona Football Club, talent training school Spanish club.

“School Of Life is for entrepreneurship as it is Barça’s La Masia for football. Nicer Messi, Dani Alves the, the, the Xavi world of entrepreneurship. Brazil, for his many talents, will be the first market performance of our club of entrepreneurs, “said Bellino, who, among other activities, was the first commercial partner of the Trump Organization outside the United States.

Headquartered in Silicon Valley, the School of Life is a multi-platform (online and offline), whose anchor is a game (The Game of Life), which will provoke and challenge participants with real tasks – transmitting knowledge and education throughout the process. The extraordinary talents receive prizes, such as the possibility of being asked to participate in an experiment a month in Silicon Valley – with mentoring, coaching, teaching, technical visits and a final event for the presentation of talents to the press and investors.

The club will also serve entrepreneurs through “Street Talks” lectures with renowned entrepreneurs, held in different parts of the country and the world. The School Of Life project was developed by the center for creativity and innovation Imagine, which is headquartered in Silicon Valley, under the supervision of another Brazilian journalist Anderson Hartmann, publisher of Cachaça Communications.

“Our challenge was to create a new model of education that breaks the linearity and standardization of teaching methodology and contemplate a collective learning that respects the characteristics of each individual. As new generations are more concerned to take the path we created an online community with an interactive game that offers a personalized and continuous learning-based Methodology Learn by Playing “says Hartmann, noting that worked on the project alongside the advertiser Natx Ayxelá Spanish and Mexican Pablo Quijano, founder of the Movement” Wallpeople. ”

According to Bellino, the School Of Life all have space: people of different ages, of different nationalities and from all walks of life, just have talent and believe in the impossible. “School Of Life proposes a disruptive design education for future entrepreneurs. Result of team work of ‘dreamers’ who created the methodology is sensational space with innovative, inspiring, personalized and fun in the post-digital” says Hugo Pardo Kuklinski, a professor at Stanford University, one of the mentors of the group that created the club entrepreneurs. The http://postdigital.imagine.cc/ site provides information about the project. There are also tips on facebook.com / imaginecc.

La Masia

“La Masia de Can Planes” is an old farmhouse passed by more than 500 players in the last 30 years. Responsible for the development model talent team of Barcelona, ​​Oriol Tort decided to turn the site into a residence for young promising in 1979. The goal of the initiative visionary pioneer in European football, is to develop the players not only as athletes, but also as people. The concern is to meet not only with young talent for the sport, but with a commitment to succeed and ability to work in teams.

Bellino traveled at 21 years of age to the United States as a postman DHL to realize a dream. Without a penny in my pocket and unable to speak a word of English, had a good idea in mind: to bring to Brazil the Elite modeling agency. Years later, his first venture into the world to reveal model Gisele Bündchen, among other stars from the world of fashion and beauty. Bellino was also business partner of billionaire Donald Trump and now handle new flights with the School of Life.

Anúncios

Posted in Empreendedorismo | Leave a Comment »

Resiliência: a competência da vez

Posted by HWBlog em 31/10/2012

Resiliência: a competência da vez

Ainda que cada vez mais integrada ao nosso vocabulário, a resiliência é um conceito relativamente novo nas Ciências Humanas, que vem sendo amplamente estudado por especialistas de vários campos, sobretudo na psicologia.

Vista num passado recente como uma qualidade nata dos indivíduos, e analisada principalmente em crianças, a resiliência saiu da academia e entrou com louvor para o mundo organizacional quando foi identificada como uma competência: ou seja, era passível de ser desenvolvida em pessoas.

Misto de resistência, flexibilidade e capacidade de recuperação, e ainda um pouco mais, a depender dos ingredientes que a descrevem em suas diferentes composições, o termo busca explicar a capacidade de superação presente em indivíduos, grupos e organizações.

Os estudiosos dizem que se trata de um fenômeno inerente ao desenvolvimento humano. Mas o fato é que, num mundo em que as adversidades vêm sendo banalizadas, ser resiliente tornou-se quase que uma necessidade, não havendo outra escolha.

Apesar disso, ainda são poucos os dicionários que associam resiliência às características humanas; quando o fazem tendem a colocá-la em sentido figurado, como resistência ao choque. Em geral, restringem-se a reproduzir sua definição original que vêm da física, da capacidade que certos materiais têm de voltar ao seu estado normal depois de serem deformados.

No ambiente corporativo, ela surgiu envolta em ares de invencibilidade e rapidamente tornou-se primordial e desejada; cobriu todas as nuances necessárias ao profissional do momento, principalmente se levarmos em conta as crescentes pressões exercidas pelos mercados abertos que sofrem todo tipo de intempéries em cenários cada vez mais competitivos.

Alguns críticos indicam que a nova competência pode ser uma faca de dois gumes, na medida em que, às vezes, é usada como pretexto para demandar mais do que as pessoas podem entregar com consequências penosas para a saúde física e mental. É inevitável observar: assim como materiais distintos apresentam graus diferenciados de elasticidade, os profissionais precisam avaliar seus limites ao stress ou a ambientes hostis, procurando encontrar o ponto interno de equilíbrio, que é quase como impressão digital, cada um tem a sua.

Qualquer comportamento em exagero pode ser nocivo como qualquer atitude levada ao extremo.

É natural, entretanto, que tenha mais chance de sobreviver aquele que é capaz de enfrentar dificuldades de toda sorte e ainda continuar firme no propósito de levar à frente suas metas de crescimento, demonstrando otimismo e auto controle. Mas é preciso olhar com cautela para os limites individuais: nem todos desempenham com a mesma desenvoltura a habilidade ou devem fazer esforços desmedidos para desenvolvê-la.

Nesse sentido, é importante considerar as suas próprias características, valores, experiência acumulada, tolerância à frustração. Sem dúvida, uma boa investigação da sua performance profissional irá colaborar para aumentar o seu grau de conhecimento e permitir que você passe a se testar com consciência. Resistir ao seu superior, que insiste em dizer que você não é bom chefe porque ouve seus subordinados, pode ser de extrema importância, se você julgar que para atingir os excelentes resultados que vêm obtendo precisa se relacionar bem com a sua equipe.

No entanto, cuidado com os clichês do tipo, tem sucesso quem deixa de lado as emoções ou coisas do gênero. Não existem fórmulas para aprender a lidar com a pressão ou aumentar a resistência, apenas processos que auxiliam a reflexão como o coaching.

Explorar a resiliência a seu favor, é estar sempre atento às situações que precisam ser enfrentadas, considerando-se dentro do contexto, ponderando, por exemplo, se os sacrifícios vão compensar em nome de benefícios que possam ser colhidos no futuro.

Essas oportunidades, inclusive, podem valer “ouro” em termos de crescimento pessoal e profissional.

Resiliência não é deixar de ter emoção, mas estar envolvido a ponto de poder avaliar com tranquilidade todas as circunstâncias e tomar as decisões certas sem sofrimento; na maioria dos casos, a competência é aperfeiçoada ao longo da vida, naturalmente, durante o processo de amadurecimento; é aquela que irá conferir um toque de leveza às nossas atitudes.

Maria Lucia Pettinelli, diretora Choice Consulting

Resilience: the competence of the time

Although increasingly integrated into our vocabulary, resilience is a relatively new concept in the Humanities, which has been widely studied by experts from various fields, particularly in psychology.

Seen in the recent past as a quality cream of individuals, and analyzed especially in children, resilience left the gym and went with praise for the organizational world when it was identified as a competence: ie, was able to be developed in people.

Joint strength, flexibility and resilience, and even a little more, depending on the ingredients that describe in their different compositions, the term seeks to explain the ability to overcome present in individuals, groups and organizations.

Scholars say it is a phenomenon inherent to human development. But the fact is that, in a world where the odds have been trivialized, be resilient became almost a necessity, there is no other choice.

Nevertheless, there are few dictionaries that associate resilience to human characteristics, when they do tend to put it figuratively, as crashworthiness. In general, restricted to playing their original definition that come from physical capacity that certain materials have to return to its normal state after being deformed.

In the corporate environment, it came wrapped in an air of invincibility and quickly became paramount and desired; covered all the nuances necessary for professional time, especially if we take into account the increasing pressure from open markets suffering all kinds of weather scenarios increasingly competitive.

Some critics suggest that the new competence can be a double-edged sword, as it sometimes is used as an excuse to demand more than people can deliver with harmful consequences for physical and mental health. It is inevitable to note: as different materials have different degrees of elasticity, practitioners need to assess their limits to stress or hostile environments, seeking to find the internal point of equilibrium, which is almost as fingerprint, each has his.

Any exaggeration in behavior can be harmful as any action taken to extremes.

It is natural, however, that has more chance of surviving one that is able to face all sorts of difficulties and still remain firm in order to carry forward its growth targets, demonstrating optimism and self control. But you have to look carefully to the individual limits: not all play at the same skill or resourcefulness should make efforts disproportionate to develop it.

Therefore, it is important to consider its own characteristics, values, experience, frustration tolerance. Undoubtedly, a good professional performance of its investigation will collaborate to increase their level of knowledge and allow you to pass the test with consciousness. Resisting his superior, who insists that you no good boss listens because his subordinates, can be extremely important, if you believe that to achieve the excellent results that have been obtained to relate well with your team.

However, beware of clichés like, who has successfully put aside the emotions or the like. There are no formulas to learn to deal with pressure or increase endurance, only processes that assist reflection as coaching.

Exploring resilience in their favor, is to always be aware of situations that need to be addressed, considering in context by considering, for example, will make the sacrifices in the name of benefits that can be reaped in the future.

These opportunities, inclusive, may be worth “gold” in terms of personal and professional growth.

Resilience is not fail to have emotion, but being involved enough to be able to evaluate all the circunstances calmly and make the right decisions without suffering, in most cases, competence is enhanced throughout life, naturally, during the ripening process , is one that will give a touch of lightness to our attitudes.

Posted in Comportamento | Leave a Comment »

Por que tantos diretores de empresa têm medo do Twitter?

Posted by HWBlog em 30/10/2012

Por que tantos diretores de empresa têm medo do Twitter?

No começo do mês, quando Jeffrey Immelt tuitou pela primeira vez, o “Olá Twitter” do diretor-presidente da General Electric Co. recebeu um punhado de réplicas insolentes, incluindo a seguinte: “@JeffImmelt como é que meu avô chegou no twitter antes de você?”

Immelt pode até ter chegado tarde, mas sua estreia no site de microblogs faz dele uma raridade entre presidentes, que em geral mantêm distância de sites sociais — mesmo quando sua empresa recorre ao meio para conversar com clientes e buscar novos negócios.

Presidentes de empresas estão sob pressão para parecerem acessíveis e “autênticos”, mas os sites de relacionamento social — com sua demanda de intervenções rápidas e espontâneas que rapidamente podem ganhar caráter viral — trazem risco para altos executivos e as empresas que representam, na forma de ações na Justiça, vazamento de segredos comerciais ou clientes irados.

Muitos diretores de empresa se dizem ocupados demais para perder tempo postando mensagens de 140 caracteres no Twitter ou retuitando posts de seguidores. Além disso, para algumas empresas o retorno que a presença no site traria pode parecer incerto, pois não há correlação direta entre o número de seguidores no Twitter e vendas.

Pelo menos um especialista em liderança considera míopes esses argumentos. A maioria dos presidentes deveria aceitar que marcar presença em redes sociais é parte das atribuições do cargo, diz Bill George, ex-diretor-presidente da Medtronic Inc., professor de administração da Faculdade de Administração Harvard e tuiteiro contumaz. “As pessoas querem um diretor-presidente que seja real. Querem saber o que você pensa”, diz George, acrescentando: “Você consegue imaginar um meio mais eficaz de chegar aos clientes e ao pessoal da empresa?”.

A fabricante americana de sucos Ocean Spray Cranberries Inc. está pressionando seu diretor-presidente, Randy Papadellis, a começar a tuitar. Mas quando Papadellis disse em uma entrevista recente que usaria um de seus primeiros tweets para dizer que beber suco de cranberry (uma fruta da família da groselha) antes de comer sushi ajuda a prevenir intoxicação alimentar, sua diretora de comunicação, Cindy Taccini, vetou a ideia. É que a tese nunca foi clinicamente comprovada, explicou.

De cada dez presidentes de empresas do ranking Fortune 500, sete não têm presença em grandes redes sociais como Twitter, Facebook, LinkedIn, Pinterest e Google+, segundo relatório recente do site CEO.com e da empresa de análises Domo.

Entre aqueles que estão nessas redes, 4% têm uma conta pública no Twitter e 8% usam o Facebook sob o próprio nome, segundo o estudo feito em maio. A título de comparação, 34% de todos os americanos estão no Twitter e 50% usam o Facebook.

Dirigentes empresariais como Marissa Mayer, da Yahoo Inc., e Omar Ishrak, da Medtronic, parecem ter achado um equilíbrio entre o pessoal e o profissional em sua conta no Twitter.

Quando foi contratada para dirigir a Yahoo, que anda tendo dificuldades, Mayer usou o site de partilha de fotos da Facebook Inc., o Instagram, para motivar o pessoal da empresa e investidores. Como? Grávida do primeiro filho, Mayer postou fotos de roupinhas de bebê inspiradas na Yahoo. Há pouco, no Twitter, falou maravilhas do café da empresa.

Não faltam, no entanto, histórias com final infeliz. Em maio, a empresa de varejo de vestuário Francesca’s Holdings Corp. demitiu o diretor-financeiro, Gene Morphis, devido a posts feitos por ele no Facebook e no Twitter com projeções de lucros, observações sarcásticas sobre quem vende a descoberto e comentários enchendo a própria bola na esteira de uma oferta secundária de ações pela empresa.

Morphis não foi encontrado para comentar o assunto.

Mark Bertolini, diretor-presidente da seguradora Aetna Inc., tem uma conta no site há três anos — embora a filha, que já foi diretora de redes sociais, tenha tentado dissuadi-lo. Bertolini já usou a plataforma para falar de coisas pessoais, como o transplante de rim do filho.

Embora tenha entrado no Twitter para se comunicar com amigos, o executivo virou um para-raios para críticos da Aetna.

Meses atrás, quando um segurado com câncer de cólon usou o Twitter para contar que atingira o teto de custos do seu plano de saúde Aetna, centenas de usuários do site postaram mensagens raivosas para Bertolini, que logo entrou em contato com o segurado, também via Twitter. O resultado? A Aetna aceitou pagar as despesas médicas do homem até o fim do último ano do plano.

“Não quero ser um comunicado de imprensa”, diz Bertolini, que tem cerca de 3.000 seguidores. “É preciso correr certos riscos. É preciso se expor um pouco”.

Presidentes das 500 maiores empresas do ranking da revista “Fortune” com conta no Twitter têm, em média, 33.250 seguidores, segundo o estudo do CEO.com e da Domo. Uma celebridade do meio empresarial como Jack Welch, ex-cabeça da GE, tem 1,3 milhão de seguidores.

O diretor-presidente da News Corp., Rupert Murdoch, começou a tuitar em janeiro. Hoje, tem mais de 326.000 seguidores. O magnata das comunicações já postou sua opinião sobre assuntos como controle de armas, ensino público e crise do euro. A News Corp. é dona do The Wall Street Journal.

Nem todo executivo é tão falador. Michael Dubyak, diretor-presidente da Wright Express Corp., fornecedora de soluções de gerenciamento de informações e processamento de pagamentos empresariais, diz que pensou em tuitar, mas achou que seria arriscado demais. Amigos íntimos e familiares podem achá-lo no Facebook, onde Dubyak tem uma conta — embora não sob seu nome completo.

Muitos executivos que tuítam contam com ajuda. Talvez a equipe de relações públicas da empresa edite as mensagens. Talvez outra pessoa redija os posts. Immelt, por exempo, tem uma equipe a cargo de “executar sua visão” no Twitter. Esse pessoal o ajuda na concepção dos posts, diz uma porta-voz da empresa. Os tweets são resultado de uma “discussão” entre Immelt e Deirdre Latour, diretora de comunicação da GE, embora “o tom e a visão sejam dele”, diz a diretora. A equipe jurídica não lê os posts antes da publicação.

Certos executivos já cansaram da coisa. Tony Hsieh, da Zappos Inc., foi um dos primeiros a tuitar, mas não posta nada em sua conta no Twitter desde junho. Por e-mail, Hsieh disse que a rede é boa para fazer comunicados, mas perdeu o caráter íntimo, coloquial. Agora, o executivo prefere compartilhar fotos no Instagram.

Leslie Kwoh e Melissa Korn, The Wall Street Journal

Why do so many company directors are afraid of Twitter?

Earlier this month, when Jeffrey Immelt tweeted for the first time, the “Hello Twitter” the chief executive of General Electric Co. received a handful of cheeky replicas, including the following: “@ JeffImmelt how my grandfather came before on twitter you? ”

Immelt may even have arrived late, but his debut on microblogging site makes him a rarity among presidents, who usually keep away from social sites – even when your company uses the medium to talk to customers and find new business.

CEOs are under pressure to look affordable and “authentic”, but social networking sites – with their demand for quick and spontaneous interventions that can quickly gain viral character – pose risks to senior executives and the companies they represent, as actions in court, leaking trade secrets or irate customers.

Many company managers say they are too busy to waste time posting messages of 140 characters on Twitter or twittering posts of followers. Additionally, for some companies the return that the presence on the site would may seem uncertain, as there is no direct correlation between the number of Twitter followers and sales.

At least one expert myopic leadership considers these arguments. Most presidents should accept that a presence on social networks is part of the duties of the position, says Bill George, former CEO of Medtronic Inc., a management professor at Harvard Business School and twitter stubborn. “People want a CEO who is real. Want to know what you think,” says George, adding: “Can you imagine a more effective way of reaching customers and staff of the company?”.

The American manufacturer juice Ocean Spray Cranberries Inc. is pressuring its CEO, Randy Papadellis, starting to tweet. But when Papadellis said in a recent interview that he would use one of his first tweets to say that drinking cranberry juice (a fruit of the gooseberry family) before eating sushi helps prevent food poisoning, his communications director, Cindy Taccini, vetoed the idea. Is that the argument has never been clinically proven explained.

Out of ten CEOs of the Fortune 500, seven have no presence on major social networks like Twitter, Facebook, LinkedIn, Pinterest and Google+, according to a recent report from CEO.com site and company analysis Dome.

Among those who are in these networks, 4% have a public account on Twitter and 8% use Facebook under the name, according to the study done in May. By comparison, 34% of all Americans are 50% Twitter and Facebook use.

Business leaders like Marissa Mayer of Yahoo Inc., and Omar Ishrak, Medtronic, seem to have found a balance between personal and professional in his Twitter account.

When he was hired to direct the Yahoo, having trouble walking, Mayer used the site to share photos of Facebook Inc., Instagram, to motivate personnel of the company and investors. How? Pregnant with their first child, Mayer posted photos of baby clothes inspired by Yahoo. Recently, on Twitter, spoke wonders of the coffee business.

There is no shortage, however, stories with unhappy ending. In May, the company’s retail clothing Francesca’s Holdings Corp. resigned the CFO, Gene Morphis, because of posts he made on Facebook and Twitter with projections of earnings, sarcastic remarks about who sells short comments and filling the ball itself in the wake of a secondary offering of shares by the company.

Morphis not be reached for comment.

Mark Bertolini, CEO of insurer Aetna Inc., has an account on the site three years ago – although the daughter, who was director of social networks, has tried to dissuade him. Bertolini already used the platform to talk about personal things, like son kidney transplant.

Although he entered the Twitter to communicate with friends, the executive became a lightning rod for critics of Aetna.

Months ago, when an insured with colon cancer used Twitter to tell that reached the ceiling cost of your Aetna health plan, hundreds of site users posted angry messages to Bertolini, who immediately contacted the insured, also via Twitter. The result? The Aetna agreed to pay the medical expenses of the man until the end of the last year of the plan.

“I will not be a press release,” says Bertolini, who has nearly 3,000 followers. “You have to take certain risks. You must expose yourself a bit.”

Presidents of the 500 largest companies in the ranking of the magazine “Fortune” with Twitter account have, on average, 33,250 followers, according to the study CEO.com and Domo. A celebrity from the business like Jack Welch, former head of GE, has 1.3 million followers.

The chief executive of News Corp., Rupert Murdoch, began tweeting in January. Today, it has over 326,000 followers. The communications mogul already posted your opinion on issues such as gun control, public education and the euro crisis. News Corp. owns The Wall Street Journal.

Not every executive is so talkative. Michael Dubyak, CEO of Wright Express Corp., A provider of information management solutions and payment processing business, said he thought of tweeting, but thought it would be too risky. Close friends and family can find him on Facebook, where Dubyak has an account – though not under his full name.

Many executives who tweet have help. Perhaps the team’s public relations firm edit posts. Perhaps someone else to write the posts. Immelt, a code example, has a team in charge of “run its vision” on Twitter. This staff helps in the design of posts, says a company spokesman. The tweets are the result of a “discussion” between Immelt and Deirdre Latour, communications director of GE, although “the tone and vision are his,” says the director. The legal team does not read the posts before posting.

Certain executives already tired of it. Tony Hsieh, the Zappos Inc., was one of the first to tweet, but do not put anything on his Twitter account since June. By e-mail, Hsieh said the network is good to make announcements, but lost the intimate character, colloquial. Now, the executive prefers to share photos on Instagram.

Posted in Comportamento, Internet | Leave a Comment »

Use o LinkedIn como plataforma de marketing digital

Posted by HWBlog em 29/10/2012

Use o LinkedIn como plataforma de marketing digital

Os 175 milhões de usuários profissionais da rede social são considerados uma mina de ouro para as marcas. De acordo com a rede social, seu público é um dos mais educados, ricos e influentes na web

A equipe do LinkedIn está convencida que os seus 175 milhões de usuários profissionais em todo o mundo, 10 milhões deles no Brasil, são uma mina de ouro para as marcas. Agora quer convencer CEOs, CMOs e CIOs  de que podem encontrar lá um dos públicos mais educados, ricos e influentes na web. Portanto, um bom alvo para ações de marketing digital e social commerce.

Mas como aproveitar o potencial desse audiência? Pode ser um desafio desastroso, se você é for novo no LinkedIn e desconhecer seu portfólio de recursos.

Tome nota: a recém-redesenhada páginas da empresa da rede social pode ser o seu centro de negócios. Da mesma forma que a seção de Carreiras deve estar permanentemente atualizada com as vagas de emprego, a de Produtos deve ser transformada em uma espécie de catálogo ou vitrine, com informações sobre o que há de novo.

“Este é o lugar onde você se envolver com o seu público”, diz Alison Engel, diretora global de marketing  da LinkedIn para soluções de mercado. Segundo ele, quando um usuário do LinkedIn faz um comentário favorável sobre seus negócios ou ofertas, você obtém recomendações de confiança. Quando as pessoas do ciclo de relacionamento dos seus clientes visualizarem estas recomendações, você se beneficiará. E quando estas recomendações forem compartilhadas, você se beneficiará novamente.

“Uma dificuldade comum a muitas companhias para manterem a sua Página de empresa envolvente é ter bom conteúdo, em volume suficiente e significativo, para oferecer regularmente para suas audiências. “As empresas não percebem o quanto de conteúdo já têm em suas mãos”, diz Engel.

Aqui estão quatro tipos de conteúdo que os usuários do LinkedIn anseiam.

Notícias da empresa:

O motivo pelo qual as pessoas estão seguindo a sua empresa é o desejo de manterem-se atualizadas sobre suas informações, diz Engel. E esse tipo de informação é geralmente algo que você já tem preparado: pense em lançamentos da empresa, tendências da indústria e anúncios e press releases sobre produtos e serviços, diz ela.

“Nada disso exige uma equipe de pessoas produzindo conteúdo adicional”, diz ela. “Sua presença deve realmente ser pensada como uma versão mais envolvente do site de sua empresa.”

Conteúdo interativo:

Engel diz que você deve procurar variar o seu conteúdo, evitando que toda publicação seja estática. Inclua links ou vídeos em alguns de seus posts para aumentar o engajamento dos usuários. Use essas publicações para atrair, exibir e selecionar recomendações de seus clientes.

A IBM, por exemplo, publica trechos de textos de seus blogs com links para eles, onde o usuário pode ler mais. “Isso ajuda a oferecer para as pessoas um contexto mais rico e incentiva o envolvimento”.

A IBM também varia o seu conteúdo com o vídeo.

O uso do aplicativo Polls também é recomendável. Ele permite que você obtenha mais informações do seu público alvo.

Atualizações regulares:

Nem todas as mensagens precisam ser amarradas a um pedaço de conteúdo. Considerar a publicação de atualizações em torno eventos da indústria ou conferências pode ser uma boa ideia. “Os comerciantes geram um monte de atividade em torno de eventos”, diz Engel.

Conteúdo externo:

Se você está pressionado pelo conteúdo, olhe para além das notícias sobre a empresa, publicando informações de eventos e vídeos sobre o mercado no qual atua que possam interessar o seu público, diz Engel.

A Cisco, por exemplo, diversifica suas atualizações com conteúdo de terceiros.

“Há um verdadeiro valor agregado para as pessoas que seguem a sua empresa quando você publica artigos de notícias ou uma história com um ponto de vista interessante”, diz Engel. “Tudo o que você publicar não precisa ser de ou sobre a sua empresa.”

Vale lembrar também que o LinkedIn oferece opções diferenciadas para anúncios na rede social. Ao selecionar um público-alvo por cargo, função de trabalho, setor, localidade, idade, sexo, nome da empresa, tamanho da empresa ou Grupo do LinkedIn, você especifica quais usuários do LinkedIn receberão seus anúncios.

O LinkedIn Ads segue o formato de cobrança consagrado de CPC (Custo Por Clique) e CPM (Custo Por Mil). Basta estipular o valor máximo que deseja investir e o valor por cliques ou impressões. A maioria das pessoas prefere o CPC, o que significa que se paga quando alguém clica no anúncio. Este método de pagamento permite que se especifique um lance – o valor máximo que se esteja disposto a investir por cada clique. Não há nenhum critério de gastos semanais, mensais ou anuais. Não há contrato de longo prazo. Você controla o quanto gostaria de investir e o tempo de veiculação de seus anúncios.

Se o seu público está no LinkedIn, por que não focar seus esforços em uma plataforma qualificada e que atenda ao seu mercado?

Kristin Burnham, CIO/EUA

Use LinkedIn as a platform for digital marketing

The 175 million users of the social network practitioners are considered a goldmine for brands. According to the social network, your audience is one of the most educated, wealthy and influential web

The LinkedIn team is convinced that its 175 million users professionals worldwide, 10 million of them in Brazil, are a goldmine for brands. Now he wants to convince CEOs, CMOs and CIOs who may find there one of the public more educated, wealthy and influential web. Therefore, a good target for shares digital marketing and social commerce.

But how to harness the potential of this audience? It can be a challenge disastrous if you’re new to LinkedIn and is unaware of its portfolio of resources.

Take note: the newly redesigned pages of the company’s social network can be your business center. Likewise the Careers section must be permanently updated with the jobs, the Product must be transformed into a kind of catalog or storefront, with information about what’s new.

“This is the place where you engage with your audience,” says Alison Engel, director of global marketing for LinkedIn to market solutions. According to him, when a LinkedIn user makes a favorable comment about your business or offers, you get trusted recommendations. When people cycle relationship of their clients to view these recommendations, you will benefit. And when these recommendations are shared, you will benefit again.

“A common difficulty for many companies to keep their company engaging page is having good content in volume and significant enough to give regularly to their audiences.” Companies do not realize how much content already have on their hands, “says Engel.

Here are four types of content that users crave LinkedIn.

Company News:

The reason people are following your company is the desire to keep up to date on their information, says Engel. And this kind of information is usually something you have already prepared: think of the company’s releases, industry trends and announcements and press releases about products and services, she says.

“None of this requires a team of people producing additional content,” she says. “His presence should really be thought of as a more immersive site of your company.”

Interactive Content:

Engel says that you should seek to vary your content, preventing any publication is static. Include links or videos on some of your posts to increase the engagement of users. Use these publications to attract, select and display recommendations for their clients.

IBM, for example, publishes excerpts of texts from their blogs with links to them, where you can read more. “This helps to provide people a richer context and encourages involvement.”

IBM also varies its content with the video.

The Polls application usage is recommended. It allows you to get more information from your target audience.

Regular updates:

Not all messages need to be tied to a piece of content. Consider posting updates about industry events and conferences can be a good idea. “Traders generate a lot of activity around events,” says Engel.

External content:

If you are pressed for content, look beyond company news, publishing event information and videos on the market in which it operates that might interest your audience, says Engel.

Cisco, for example, diversifies its updates with content from third parties.

“There’s a real value for the people who follow your company when you publish news articles or a story with an interesting point of view,” says Engel. “Everything you need not be published or about your business.”

Remember also that LinkedIn offers different options for ads on the social network. When selecting a target audience by job title, job function, industry, location, age, gender, company name, company size or the LinkedIn Group, you specify which users will receive their ads on LinkedIn.

LinkedIn Ads collection follows the format set out in CPC (Cost Per Click) and CPM (Cost Per Thousand). Simply provide the maximum amount you want to invest and value for clicks or impressions. Most people prefer the CPC, which means you pay when someone clicks on the ad. This payment method allows you to specify a throw – the maximum you are willing to invest for each click. There is no criterion expenses weekly, monthly or yearly. There is no long term contract. You control how much would you invest and the time of placement of your ads.

If your audience is on LinkedIn, why not focus your efforts on one platform and qualified that suits your market?

Posted in Gestão, Internet, Marketing | Leave a Comment »

O que faz uma equipe ter alta produtividade?

Posted by HWBlog em 22/10/2012

O que faz uma equipe ter alta produtividade?

Equipes são a unidade essencial de qualquer empresa, pessoas que trabalham juntas por um objetivo comum. O problema é que nem sempre as equipes conseguem “performar” da melhor forma e isso causa uma série de problemas aos líderes e falhas na execução da empresa.

Nos últimos meses estou tendo a oportunidade de acompanhar diversas equipes, mapeando seus gaps e sucessos na execução e, se eu pudesse mapear alguns fatores que fazem a equipe ter uma alta produtividade, eles seriam:

Os líderes fazem a diferença – Se puder comparar uma “equipe ruim” e uma “equipe fantástica” o líder é a primeira ponta. Líderes negligentes não fazem a coisa acontecer. Líderes urgentes matam a produtividade da equipe. Líderes egocêntricos matam o propósito do time. Por outro lado, líderes que suportam, dão empowerment, estabelecem modelos de comunicação, definem prioridades claras e dão o poder de decisão ao time fazem a coisa acontecer. O líder não precisa saber nem resolver tudo, ele precisa dar espaço para a equipe e com isso utilizar o potencial do grupo.

Foco nas pessoas e não no resultado – Nada contra gestão por objetivos ou similares, mas as equipes dão certo pelas pessoas que as compõem. Você pode ter os melhores processos, metas e sistemas, mas são as pessoas que fazem a diferença. Quando a equipe tem pessoas valorizadas, vistas com seus problemas e competências, e que têm chances para o aumento de seu equilíbrio pessoal e relacionamentos importantes, a coisa flui diferente.

A comunicação é aberta – Esse é um dos pontos mais difíceis e também mais interessantes das equipes de alta produtividade. Quando a comunicação é aberta, direta, honesta e objetiva, a coisa funciona. Equipes onde a comunicação tem barreiras, onde tudo se resolve por e-mail ou com reuniões, onde falar com o líder exige um “protocolo”, a produtividade fica truncada.

Elas gerenciam o tempo – Quanto mais efetivas individualmente as pessoas são, mais a equipe aumenta sua performance. Se uma pessoa não consegue lidar com seus e-mails, não sabe planejar, não consegue priorizar, não consegue se organizar, etc., ela acaba comprometendo a performance de todos. Gerenciar tempo é uma competência individual que no grupo traz resultados incríveis.

Elas erram – Equipes maduras e de alta produtividade erram e a cada erro alguém se prontifica a mapear, identificar as origens e a solucionar o erro. Todo mundo erra: processos podem estar errados e sistemas podem ter erros. O erro é muito bem-vindo nessas equipes, com a diferença de que eles servirão para ajudar a equipe a ajustar a rota, evitar que novas urgências apareçam e servirão como exemplo de melhores práticas. A negligência ou aceitação do erro é que faz o erro ser um “erro”.

Nenhuma equipe possui alta produtividade constantemente. Existem flutuações e lacunas em alguns momentos. Isso é normal. O que faz a diferença no resultado é a maturidade do grupo, a capacidade de saber o que é importante, de se comunicar da forma adequada, de utilizar o tempo da forma correta e de lidar com seus problemas.

Essas características não nascem da noite para o dia. Elas são construídas ao longo do tempo, com muita persistência, treinamento e ferramentas. Qualquer equipe pode se transformar em uma equipe de alta produtividade, basta que os líderes tenham interesse e que a empresa dê espaço nesse sentido.

Christian Barbosa, diretor executivo Triad

What does a team have high productivity?
Teams are the essential unity of any company, people working together for a common goal. The problem is that teams can not always “perform” optimally and this causes a lot of problems and leading to failures in the implementation of the company.
In recent months I am taking the opportunity to follow several teams, charting their successes and gaps in implementation and, if I could map some factors that make the team have a high productivity, they would be:

Leaders make a difference – if you can compare a “bad team” and a “fantastic team” leader is the first tip. Leaders negligent not make it happen. Leaders urgent kill team productivity. Leaders egocentric kill the purpose of the team. On the other hand, leaders who support, give empowerment, establish communication models, define clear priorities and give the power of decision to the team make it happen. The leader does not need to know not solve everything, he needs to make room for the team and thereby utilize the potential of the group.

Focus on people and not on the result – Nothing against management by objectives or similar, but teams do work for the people who compose them. You can have the best processes, systems and goals, but are the people that make the difference. When the team has valued people, problems with their views and skills, and have chances to increase their balance personal relationships and important thing to different flows.

Communication is open – This is one of the most difficult and also the most interesting teams of high productivity. When communication is open, direct, honest and objective, it works. Teams where communication barriers has, where everything is solved via email or meetings, where talk with the leader requires a “protocol”, productivity is truncated.

They manage the time – The more effective individually people are, the more the team increases its performance. If a person can not handle your emails, do not know how to plan, prioritize can not, can not organize, etc.., She ends up compromising the performance of all. Manage time is an individual competence in group brings incredible results.

They make mistakes  – Teams mature and high productivity make mistakes and every mistake someone volunteers to map, identify the origins and troubleshoot the error. Everyone makes mistakes: processes can be wrong and systems can have errors. The error is very welcome in these teams, with the difference that they serve to help the team adjust the route, prevent new emergencies arise and serve as an example of best practice. The acceptance of negligence or mistake is making the error be a “mistake.”

No team has consistently high productivity. There are fluctuations and gaps at times. This is normal. What makes the difference in the result is the maturity of the group, the ability to know what is important to communicate appropriately, using the time and the right way to deal with their problems.

These characteristics are not born from night to day. They are built over time, with much persistence, training and tools. Any team can become a team of high productivity, simply that leaders have an interest and give the company space in that sense.

Posted in Produtividade | Leave a Comment »

Dicas de sucesso da menina brasileira fundadora da empresa Lemon

Posted by HWBlog em 22/10/2012

Dicas de sucesso da menina brasileira fundadora da empresa Lemon

Uma cabeça cheia de ideias, um coração apaixonado por mudanças e mãos ávidas por iniciativa. Assim é Isabel Pesce Mattos, ou Bel Pesce, a “menina do vale”, por tudo o que descreve de sua vida, sua rotina e pelos feitos que realizou até agora.

Aos 17, ela deixou o conforto da casa dos pais em São Paulo para estudar no MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts). Graduou-se em vários cursos: engenharia elétrica, ciências da computação, administração, economia e matemática. Mudou-se para o Vale, onde trabalhou para gigantes como Google, Microsoft e agora fundou sua empresa, a Lemon, de aplicativos de finanças pessoais.

Com tanta experiência acumulada, decidiu lançar o livro digital “A Menina do Vale”, que pode ser baixado gratuitamente pela internet. O título já acumula mais de 150 mil downloads.

Confira as dicas da empreendedora brasileira fundadora da empresa Lemon:

Não se preocupe com a sua idade

“Alguns acham que, se você é jovem, é inexperiente e imaturo. E, se você é adulto, então já é muito tarde para se aventurar. Não acredite nessas generalizações. Na sua vida, você encontrará pessoas que tentarão usar vários argumentos para te desencorajar. Você tem que acreditar em si mesmo.

“Se você realmente sonha em empreender, a sua idade não importa. O que importa é ser extremamente apaixonado por solucionar problemas e melhorar as vidas das pessoas, e estar disposto a trabalhar arduamente para fazer as coisas acontecerem.”

“É ótimo conseguir tudo o que os outros esperam de você. Mas é sensacional quando você vai completamente além das expectativas.”

Descubra quem te inspira e por quê

“Ao longo da sua vida, ter a quem admirar ajuda a se manter focado nas conquistas que realmente importam. Além disso, pessoas admiráveis em geral mostram horizontes muito amplos e fazem com que você não limite as suas ambições.

Pessoas que eu admiro me ajudam a ver que posso e devo sonhar alto. Ao entender o que eu admiro nelas, eu acabo conhecendo-me muito melhor e entendendo o que realmente importa para mim.”

Compartilhe as suas dificuldades

“Começar uma empresa é uma experiência emocionante, mas não é fácil. Algo que ajuda nos momentos de agonia é conversar com outras pessoas. Claro que as decisões são essencialmente suas e, dependendo do tópico, você não poderá contar todos os detalhes.

Mas, se você pedir opiniões para as pessoas certas, é bem possível que alguém tenha tido um problema semelhante e possa ajudá-lo a seguir na direção certa.”

Ache pessoas que estavam na sua posição alguns anos atrás

“Juntamente com trabalho árduo e paixão, há algo que faz com que você cresça muito mais rapidamente: conselhos pertinentes. É fenomenal como pessoas experientes com histórias semelhantes à sua estão dispostas a ajudar sem pedir nada em troca — elas só querem ver um jovem empreendedor apaixonado crescer.”

O poder do networking

“Através de networking você pode alcançar pessoas que estão a muitos graus de separação e criar oportunidades incríveis. Ser bom em conectar pessoas pode ajudá-lo a encontrar um parceiro de negócios, um mentor e um advogado. Pode ajudá-lo a levantar capital, divulgar a sua empresa e muito mais.”

Seja sempre humilde

“A humildade é uma das virtudes mais importantes que alguém pode ter. Independentemente de quanto você já conquistou nesta vida, sempre há muito mais a aprender. Além disso, a qualquer momento a vida pode surpreendê-lo e dar muitas voltas. Não faz sentido algum achar que você é superior aos outros.

Ser humilde significa ser honesto consigo mesmo. É ser consciente de que você sempre pode melhorar e tirar o máximo proveito de cada uma de suas experiências. ”

Esqueça o glamour

“Algumas pessoas pensam que abrir uma empresa é algo glamuroso. Desculpe desapontá-lo: não é. Você geralmente estará dormindo menos do que pensou ser humanamente possível, comendo miojo para o almoço e jantar e passando mais tempo no escritório do que em qualquer outro lugar.

No entanto, essa também pode ser a melhor época da sua vida, especialmente se você estiver dedicando-se à construção de algo com o que realmente se importa. Os empresários mais bem-sucedidos nunca pensam no sucesso como um trampolim para outros projetos. Sua empresa é sua vida.”

Equipe, Equipe, Equipe

“A importância de ter uma boa equipe é inestimável. As ideias vêm e vão. Você pode encontrar dezenas e dezenas de novas ideias em questão de horas. Contanto que a sua ideia esteja associada com um mercado de bom tamanho, o que faz toda a diferença é ter uma equipe capaz de executar essas ideias.

Você precisa ter a liberdade para expor as suas ideias, mas também ser capaz de chegar a decisões quando há discordâncias.”

O verdadeiro valor de um plano de negócios

“Quando você está começando uma companhia, você tem a opção de escrever um plano de negócios para explicar melhor as suas ideias e como irá executá-las.  O verdadeiro valor do plano de negócios está no tempo que você gasta pensando sobre a sua ideia.

Para escrever as seções do seu plano de negócios, você precisa pesquisar o mercado, entender os concorrentes, testar algumas das suas hipóteses e avaliar diferentes estratégias para seu negócio. Depois disso, você precisa analisar os seus planos através de um ponto de vista financeiro. Tudo isso o ajuda a compreender melhor o seu negócio.”

Seja acelerado, mas tenha paciência

“Ao montar a sua companhia, você precisa mover-se rapidamente. No entanto, a direção para a qual você está movendo-se também é muito importante. Não é bom mover-se constantemente a 1.000 km/h em direção ao fracasso.

Por outro lado, ao montar a sua companhia, você precisa de paciência para validar o seu mercado e produto. As empresas que têm sucesso não são aquelas que criam rapidamente o produto que têm em mente.”

Acostume-se a aprender com seus erros

“Administrar uma startup é difícil. Há uma lista interminável de coisas que podem dar errado. As pessoas mais trabalhadoras e inteligentes ainda cometem vários erros. Aliás, em geral, as únicas pessoas que não cometem erros são aquelas que não estão correndo riscos suficientes. Como empreendedor, você terá que aprender a lidar com alguns fracassos.”

Encontre as suas paixões

“Se eu tivesse que escolher o que mais me ajudou ao longo da minha vida, seria ter paixão pelas coisas que faço. É difícil explicar em palavras o que é paixão, pois é algo que você sente no fundo do seu coração. Quando você está apaixonado pelo que faz, de repente tem uma energia infinita para trabalhar dia e noite.

Se você não sabe quais são as suas paixões, passe um tempo tentando encontrá-las. Pode demorar um pouco, mas o processo de descoberta vale totalmente a pena. É uma ótima maneira de aprender mais sobre si mesmo.

“Além de estar atento ao que importa para você, esteja aberto a novas experiências. Você nunca sabe quando descobrirá uma nova paixão.”

Impressione o mundo com a sua iniciativa

“Iniciativa é uma das características mais poderosas que você pode ter. Se pararmos para observar, geralmente há alguém dando trabalho para nós. Sejam nossos professores, sejam nossos pais, sejam nossos patrões, quase sempre há pessoas nos passando tarefas para terminar.

É ótimo conseguir tudo o que os outros esperam de você. Mas é sensacional quando você vai completamente além das expectativas. A melhor maneira de surpreender as pessoas é tendo iniciativa. Não tenha medo de pensar de modo diferente ou iniciar seus próprios projetos. Comece agora, não espere até alguém lhe pedir algo.

Giovana Rossa, analista de planejamento

Tips for success of the company’s founder Brazilian girl Lemon

A head full of ideas, a passionate heart for change and eager hands on the initiative. So is Isabel Pesce Mattos, or Bel Pesce, the “Valley Girl”, for all that describes your life, your routine and the deeds he has done so far.

At 17, she left the comfort of her parents’ home in Sao Paulo to study at MIT (Massachusetts Institute of Technology). He graduated in various courses: electrical engineering, computer science, management, economics and mathematics. She moved to the Valley, where he worked for giants like Google, Microsoft and now founded his company, Lemon, personal finance application.

With so much experience, decided to launch digital book “Valley Girl,” which can be downloaded for free on the internet. The title has accumulated more than 150,000 downloads.

Check out the tips of the entrepreneurial founder of Brazilian company Lemon:

Do not worry about your age

“Some think that if you are young, inexperienced and immature. And if you’re an adult, then it’s too late to venture. Do not believe these generalizations. In your life, you will find people who will try to use various arguments to discourage you. You have to believe in yourself.

“If you really dream of undertaking, no matter your age. What matters is to be extremely passionate about solving problems and improve people’s lives, and be willing to work hard to make things happen. ”

“It’s great to get all that others expect of you. But it’s amazing when you go completely beyond expectations. ”

Find out who inspires you and why

“Throughout his life, who have admired helps you stay focused on achievements that really matter. Moreover, admirable people in general show very broad horizons and make you not limit your ambitions.

I admire people who help me see what I can and should dream big. By understanding what I admire them, I just know myself much better and understanding what really matters to me. ”

Share your difficulties

“Starting a business is an exciting experience, but it’s not easy. Something that helps in times of distress is to talk to other people. Clear that their decisions are essentially and, depending on the topic, you can not tell all the details.

But if you ask the right people for opinions, it is quite possible that someone has had a similar problem and can help you follow the right direction. ”

Find people who were in your position a few years ago

“Along with hard work and passion, there is something that makes you grow much faster: relevant advice. It’s phenomenal how experienced people with stories similar to yours are willing to help without asking anything in return – they just want to see a young passionate entrepreneur grow. ”

The power of networking

“Through networking you can reach people who are many degrees of separation and create amazing opportunities. Being good at connecting people can help you find a business partner, mentor and advocate. It can help you raise capital, promote your company and much more. ”

Be always humble

“Humility is one of the most important virtues that anyone can have. Regardless of how much you’ve gotten in this life, there is always more to learn. Moreover, at any moment life can surprise you and give many turns. It makes no sense that you feel is superior to others.

Being humble means being honest with yourself. It is being aware that you can always improve and get the most out of each of your experiences. ‘

Forget the glamor

“Some people think that starting a business is something glamorous. Sorry to disappoint you: it is not. You usually will be sleeping less than you thought humanly possible, eating ramen noodles for lunch and dinner and spending more time in the office than anywhere else.

However, this may also be the best time of your life, especially if you are dedicating themselves to building something with what really matters. The most successful entrepreneurs never think of success as a springboard for other projects. Your business is your life. ”

Team, Team, Team

“The importance of having a good team is invaluable. Ideas come and go. You can find dozens and dozens of new ideas in a matter of hours. As long as your idea is associated with a good-sized market, what makes the difference is having a team capable of executing those ideas.

You need to have the freedom to expose their ideas, but also be able to reach decisions when there are disagreements. ”

The true value of a business plan

“When you’re starting a company, you have the option of writing a business plan to explain your ideas and how you will accomplish them. The true value of the business plan is the time you spend thinking about your idea.

To write sections of your business plan, you need to research the market, understand competitors, test some of his hypotheses and evaluate different strategies for your business. After that, you need to examine their plans through a financial point of view. All this helps you better understand your business. ”

Be fast, but be patient

“When building your company, you need to move quickly. However, the direction in which you are moving is also very important. Not good move steadily to 1,000 km / h toward failure.

Moreover, while riding your company, you need patience to validate your market and product. Companies that are successful are not the ones who create the product quickly they have in mind. ”

Get used to learn from your mistakes

“Running a startup is hard. There is a long list of things that can go wrong. The hardest-working and intelligent people still commit several errors. Indeed, in general, the only people who do not make mistakes are those who are not running enough risks. As an entrepreneur, you have to learn to deal with some failures. ”

Find your passions

“If I had to choose what helped me throughout my life, would be to have passion for what I do. It’s hard to explain in words what is passion, it is something you feel deep in your heart. When you’re passionate about what he does, suddenly has an infinite energy to work day and night.

If you do not know what their passions, spend time trying to find them. It may take a while, but the discovery process goes completely off. It’s a great way to learn more about yourself.

“In addition to being aware of what matters to you, be open to new experiences. You never know when you’ll discover a new passion. ”

Impress the world with its initiative

“Initiative is one of the most powerful features you can have. If we stop to observe, there is usually someone giving work to us. Let our teachers are our parents, our bosses are, there are almost always people going in to finish tasks.

It’s great to get all that others expect of you. But it’s amazing when you go completely beyond expectations. The best way to surprise people is taking initiative. Do not be afraid to think differently or start their own projects. Start now, do not wait until someone asks you something.

Posted in Empreendedorismo, Livros | Leave a Comment »

Indicações

Posted by HWBlog em 18/10/2012

Indicações

“Para ter sucesso no mundo, faça as pessoas acreditarem que se beneficiarão ao ajudá-lo”.

Jean de La Bruyère, moralista e ensaísta do século XVII

Quando o seu carro quebra, para quem você prefere levá-lo, a um mecânico que é amigo de um amigo ou a uma oficina aleatória que você encontrou na lista telefônica?

E tiverem escolha, as pessoas sempre preferirão interagir com alguém que conhecem e de quem gostam. As indicações tornam mais fácil para as pessoas decidirem trabalhar com alguém que elas não conhecem.

Indicações são eficazes porque transferem as qualidades de ser conhecido e apreciado. A razão pela qual você tem mais chances de procurar mecânico recomendado por um amigo é o fato de você conhecer e gostar do seu amigo e o seu amigo conhecer e gostar desse mecânico. Mesmo se o mecânico da lista telefônica for altamente qualificado, é mais importante ser conhecido e apreciado.

A indicação transfere o efeito de conhecer/gostar para a pessoa indicada, em vez de ser uma incógnita arriscada, torna-se de repente um amigo.

Visitas ou telefonemas de vendas não solicitadas não são muito eficazes porque o vendedor é desconhecido. Lembre que a nossa mente tende a tratar pessoas e situações desconhecidas como ameaças potenciais, o que ativa as nossas defesas naturais. Será mais difícil convencer uma pessoa que ainda não o conhece ou ainda não goste de você ou a faze o que você quer.

Mesmo os pontos em comum mais obscuros podem melhorar significativamente uma relação entre desconhecidos. Se alguém mencionar que mora no mesmo bairro que você, que estudou na mesma faculdade, ou que vocês têm um conhecido em comum, você automaticamente passará a gostar mais da pessoa, apesar de a relação poder ser bastante tênue.

Nos Estados Unidos temos um exemplo clássico do que estamos expondo. No último ano que Kelsey trabalhou vendendo vestidos de noiva em Manhattan, mais de 70% das vendas foram provenientes de indicações. Quando você está pensando em gastar 10 mil dólares, ou mais, em um vestido assinado por um estilista famoso, quer trabalhar com alguém conhece e de quem gosta, e os clientes anteriores de Kelsey  realmente gostaram de trabalhar com ela. Mesmo antes de entrar no ateliê, a maioria dos seus clientes potenciais já a conhecia e gostava dela, e ela fechou muito mais vendas em consequência.

Quanto mais pessoas o conhecerem, gostarem de você e confiarem em você, mais você se beneficiará.

Indicações são a melhor maneira de expandir sua rede de conexões pessoais

Haroldo Wittitz, consultor

Indications

“To succeed in the world, do people believe will benefit by helping you.”

Jean de La Bruyère, moralist and essayist of the seventeenth century

When your car breaks down, who do you prefer to take it to a mechanic who is a friend of a friend or a random shop that you found in the phone book?

And given a choice, people will always prefer interacting with someone they know and whom they like. The directions make it easier for people to decide to work with someone they do not know.

Indications are effective because they transfer the qualities of being known and appreciated. The reason you have more chances to find mechanic recommended by a friend is that you know and like your friend and your friend know and like this mechanic. Even if the mechanic phonebook is highly qualified, it is more important to be known and appreciated.

The statement transfers the effect of knowing / liking for the right person, instead of being an unknown risky, suddenly becomes a friend.

Visits or unsolicited sales calls are not very effective because the seller is unknown. Remember that our mind tends to treat people and unfamiliar situations as potential threats, which activates our natural defenses. It will be more difficult to convince a person that does not know or does not like you or do what you want.

Even the most obscure commonalities can significantly improve a relationship between unknown. If anyone mention who lives in the same neighborhood as you, who studied in the same college, or you have an acquaintance in common, you will automatically enjoy more of the person, although the relationship may be quite tenuous.

In the United States we have a classic example of what we’re exposing. Last year they worked Kelsey selling wedding dresses in Manhattan, more than 70% of sales came from referrals. When you are thinking of spending $ 10,000 or more in a dress signed by a famous designer or work with someone who knows and likes, and previous clients Kelsey really enjoyed working with her. Even before entering the studio, the majority of your potential customers already knew her and liked her, and she closed more sales as a result.

The more people know, like you and trust you, the more you will benefit.

Indications are the best way to expand your network of personal connections

Posted in Comportamento, Comunicação | Leave a Comment »

Saiba por que suas ideias não estão dando certo

Posted by HWBlog em 17/10/2012

Saiba por que suas ideias não estão dando certo

Boas ideias surgem todos os dias, mas o fato de serem boas não quer dizer que serão bem-sucedidas no mercado.

Isso significa que é necessário entender a diferença entre inovação e invenção, já que as pessoas nem sempre irão comprar o que você deseja oferecer. Confira a seguir dicas que podem ajudar você:

Veja 10 razões porque as ideias falham:

1. Tempo errado

Muitas ideias estão à frente de seu tempo fazendo com que a infraestrutura e demanda necessárias ficam em falta.

2. Todos fazem o mesmo

Muitos se esquecem do poder da competição. Se uma ideia é boa, então outras empresas irão realizá-la dentro de seus próprios padrões, muitas vezes superando o criador original.

3. Não resolve um problema

Ideias que podem ser consideradas “acidentalmente bem-sucedidas” como o Facebook, as notas autocolantes Post-it ou os chocolates M&M’s são conceitos que aparentemente parecem não ter muita utilidade, mas que são transformadas em produtos que as pessoas passam a usar e, com o tempo, precisar.

4. Não popular

Muitas ideias fracassam porque são envolvidas em polêmicas ou opiniões impopulares que, na realidade, não tem nada a ver com o produto em si.

5. Execução ruim

Você pode ser apaixonado pelo que faz, mas se não souber fazer então não será bem-sucedido na execução. Os detalhes, muitas vezes ignorados, são a diferença entre alguém que irá atingir seus objetivos e alguém que se sentirá perdido no meio da competição.

6. Os números não batem

Uma ideia pode ser ótima, mas ignorar os fatores de custo de produção, distribuição e outras implicações pode fazê-la dar errado rapidamente.

7. Muito risco, poucos benefícios

Isso não quer dizer que você não deve correr riscos, mas aventurar-se demais em busca de poucos resultados é desgastante e perda de tempo se você deseja realmente fazer com que suas ideias deem certo.

8. Suposições erradas

Basear-se apenas em suposições e não em fatos comprovados também pode fazer com que sua ideia dê errado. Esteja firme naquilo que você defende e não deixe que sua credibilidade seja colocada em risco, pois futuras ideias podem ser prejudicadas pelo fracasso de uma antiga.

9. Estrutura precária

Praticamente todos os produtos e serviços precisam de algum tipo de infraestrutura para que sejam mantidos. Isso significa que não basta apenas lançar algo no mercado e esperar pelo seu sucesso, mas também manter organização interna para que ele seja sustentado e futuramente melhorado.

10. Falhas de administração

A maneira como você executa e posteriormente administra sua ideia também é parte essencial para que ela seja bem-sucedida.

Universia, site

Learn why your ideas are not working

Good ideas emerge every day, but the fact that being good does not mean it will be successful in the market.

This means that you need to understand the difference between innovation and invention, since people will not always buy what you want to offer. Check out the following tips that can help you:

Here’s 10 reasons why ideas fail:

1. Wrong time

Many ideas are ahead of their time making the necessary infrastructure and demand are missing.

2. All do the same

Many forget the power of competition. If an idea is good, then other companies will do it within their own patterns, often exceeding the original creator.

3. It does not solve a problem

Ideas that can be considered “accidentally successful” like Facebook, the sticky notes Post-it or chocolate M & M’s are concepts that apparently seem to have much use, but are transformed into products that people are using and, with time, require.

4. Not popular

Many ideas fail because they are involved in controversial or unpopular opinions that actually has nothing to do with the product itself.

5. Bad execution

You can be passionate about what he does, but if you do not know then do not be successful in implementing. The details often overlooked, are the difference between someone who will achieve their goals and someone who feels lost in the competition.

6. The numbers do not add up

An idea may be great, but ignore the cost factors of production, distribution and other implications can do it wrong quickly.

7. Very risk, little benefit

This does not mean that you should not take risks, but venturing too few results in search of is exhausting and a waste of time if you want to really make your ideas deem right.

8. Wrong assumptions

Based only on assumptions rather than proven facts can also make your idea goes wrong. Be firm in what you stand for and do not let your credibility is put at risk because future ideas can be harmed by the failure of an antique.

9. Structure precarious

Virtually all products and services require some sort of infrastructure to be maintained. This means that not only launch something on the market and hope for its success, but also maintain internal organization so that it is sustained and enhanced in the future.

10. Fault management

The way you run and then runs his idea also is an essential part for it to be successful.

Posted in Inovação | Leave a Comment »

4 motivos que costumam causar demissões

Posted by HWBlog em 17/10/2012

4 motivos que costumam causar demissões

Problemas de relacionamento e com metas são as razões que mais levam profissionais a perderem o emprego, de acordo com especialistas

Com muitas empresas fechando seus ciclos de avaliação de funcionários neste mês, a época é mais tensa para a carreira  de muitos profissionais. “Nas empresas em que o ano fiscal bate com o ano cronológico, os funcionários vão colher em novembro a avaliação de um ano de trabalho”, diz o coach Homero Reis.

De acordo com ele, a permanência do profissional no quadro de funcionários das empresas depende, em grande parte, do resultado desta avaliação anual. Pensando nisso, vários especialistas para saber quais os motivos que mais rendem demissões nas empresas. Confira quais as quatro razões mais frequentes:

1- Ter dificuldade de relacionamento

Problemas comportamentais são os campeões, de acordo com dois especialistas consultados. “Por incrível que pareça, é o dado número 1”, diz Reis.

Isso acontece, explica ele, porque a manutenção da relação de trabalho depende diretamente da qualidade dela.

“O profissional pode ser ótimo do ponto de vista técnico, mas se ninguém conseguir conviver com ele na empresa, ele não vai ficar”, diz Reis.

Silvio Celestino, da Alliance Coaching, concorda. “A dificuldade em se relacionar significa que a pessoa não quer se adaptar à cultura da empresa e não quer aprender a se desenvolver para se relacionar com pessoas diferentes dela”, diz Celestino.

Com a diversidade em alta nas empresas, saber se relacionar com pessoas de outras culturas é cada vez mais importante, na opinião de Celestino. “Se o profissional não sabe se relacionar, não vai produzir o resultado esperado”, diz o especialista.

2- Não bater metas

Não produzir os resultados esperados faz de você um forte candidato à demissão, já que as empresas precisam bater metas para sobreviver no mercado e crescer. Portanto, se a atuação do profissional não ajuda a pagar a contas nem faz a empresa crescer, as chances de demissão crescem. “Se o trabalhador não bate a meta – nem em um eixo nem em outro – ele fica no hall das pessoas que podem ser demitidas”, diz ele.

Mas, se você ainda não entregou os resultados esperados, também não há motivo para pânico. “Aquele profissional que sabe explicar bem os motivos pelos quais ele não conseguiu bater as metas e ainda apresenta as soluções para voltar a gerar resultados tem chances de continuar. Mas, só explicar as razões, colocar a culpa em outras pessoas e não sugerir soluções não resolve”, diz Celestino.

3- Não se envolver

Fazer o estritamente necessário, não saindo nunca das suas atribuições de trabalho, é o terceiro motivo que mais aparece em demissões, diz Reis. “É aquele profissional contratado para apontar lápis e que não move uma borracha porque não faz parte da sua função”, explica o especialista.

Para Celestino, é imprescindível que o profissional esteja comprometido com o propósito da empresa e sempre busque oportunidades para ter mais responsabilidade. “Estar envolvido é fazer com que a empresa venda mais e estar comprometido com o negócio”, explica.

Escorregar no envolvimento com o trabalho, na opinião dele, pode complicar, em longo prazo, a sua permanência no quadro de funcionários. “No curto e médio prazo, esse erro não aparece muito”, diz Celestino.

4- Não ter conhecimento técnico

Embora muita gente ache que cometer erros técnicos signifique demissão certa, esse é apenas o quarto motivo da lista. Isso ocorre, na opinião de Reis, porque a deficiência técnica pode ser compensada. “Quando o funcionário não sabe, alguém ensina. É muito mais fácil qualificar uma pessoa do ponto de vista técnico do que do ponto de vista comportamental”, diz Reis.

“Se o profissional tem o espírito de aprender, ele recebe o feedback e resolve”, diz Celestino. Os problemas só surgem se ele não vai atrás dos conhecimentos necessários. “Acaba sendo uma deficiência de comportamento”, afirma o especialista.

Ele também explica que muitas vezes as pessoas são demitidas por erros técnicos depois de receberem uma promoção. “Acontece quando o profissional é colocado em um cargo que está acima de sua capacidade e não se prepara para isso”, diz.

Homero Reis, coach

4 reasons that usually cause layoffs

Relationship problems and goals are the reasons that lead practitioners to more lose their jobs, according to experts

With many businesses closing their evaluation cycles officials this month, the season is more stressful for the careers of many professionals. “Firms with fiscal year matches chronological, officials will gather in November to review a year’s work,” said Kings coach Homer.

According to him, the permanence of the professional staff of the companies depends, in large part, the result of this annual review. Thinking about it, several experts to know the reasons that render more layoffs in companies. Check out what the four most common reasons:

1 – Having difficulty in relationships

Behavioral problems are the champions, according to two experts consulted. “Incredibly, it is given the number 1,” says Reis.

This happens, he explains, because the maintenance of employment depends directly on the quality of it.

“The professional can be of great technical standpoint, but if nobody can live with him in business, he will not get,” says Reis.

Silvio Celestino, Coaching Alliance, agrees. “The difficulty in relating means that the person does not want to adapt to the culture of the company and do not want to learn to develop for different people to relate to it,” says Celestino.

With the high diversity in business, whether connecting with people from other cultures is increasingly important in the opinion of Celestine. “If the trader does not know to relate, it will not produce the expected result,” says the expert.

2 – Do not hit targets

Not produce the expected results makes you a strong candidate for dismissal, since companies need to hit targets to survive and grow in the market. So if the professional’s performance does not help pay the bills or make the company grow, the chances of resignation grow. “If the employee does not hit the target – or on one axis or another – it is in the hall of the people who may be laid off,” he says.

But if you have not delivered the expected results, there is no reason to panic. “He knows that professional well explain the reasons why he could not hit the targets and presents solutions to regenerate results is likely to continue. But only explain the reasons, put the blame on others and not suggest solutions does not solve, “says Celestino.

3 – Do not get involved

Do what is necessary, not ever leaving their work assignments, is the third reason that appears in more layoffs, says Reis. “Is that professional hired to sharpening pencils and an eraser that does not move because it is not part of their function,” explains the expert.

To Celestino, it is essential that the professional is committed to the company’s purpose and always look for opportunities to take more responsibility. “Being involved is to make the company more sales and be committed to the business,” he explains.

Slip on involvement with the work, in his opinion, may complicate long-term, they remain in the workforce. “In the short and medium term, this error does not appear much,” says Celestino.

4 – No technical knowledge

Although many people think that technical mistakes resignation means certain, this is only the fourth reason for the list. This occurs, according to Reis, because the technical deficiency can be compensated. “When the employee does not know, someone teaches. It’s much easier to judge a person’s technical point of view than the behavioral point of view, “says Reis.

“If the professional has the spirit of learning, the feedback he receives and resolves,” says Celestino. Problems arise only if he goes after the necessary knowledge. “Ends up being a deficiency of behavior,” said the expert.

He also explains that people often are dismissed for technical errors after receiving a promotion. “It happens when the work is placed in a position that is above its capacity and does not prepare for it,” he says.

Posted in Carreira | Leave a Comment »

Hábitos: uma bênção ou uma maldição?

Posted by HWBlog em 16/10/2012

Hábitos: uma bênção ou uma maldição?

O mundo está cheio de pessoas que choram, reclamam e deixam para amanhã o que deve ser feito hoje, o hábito dessas pessoas frente à vida e ao trabalho determina a maior parte do seu sucesso ou fracasso.

Hábitos são padrões de comportamentos que se tornam automáticos depois de um certo período de tempo em função de uma constante frequência e repetição.

Todos nós temos padrões e hábitos comportamentais que nos dominam e nos fazem sofrer a vários níveis: fisicamente, mentalmente, emocionalmente. Muitos de nós sente-se bloqueado e mesmo infelizes, mas continuamos a repetir os mesmos comportamentos e a viver as mesmas situações que nos fazem sofrer.

Um hábito é como uma corda. Todos os dias juntamos mais um fio, até que se torna extremamente difícil quebrá-lo.

Um olhar interior com uma atitude honesta de auto-avaliação é o primeiro passo para mudança. Se porventura você não está feliz com a direção da sua vida, existem chances muito fortes de que alguns hábitos precisam ser anulados ou radicalmente substituídos. Lembre-se que nós fazemos os nossos hábitos, mas depois de um certo período são os hábitos que nos fazem.

Cada mudança de hábito é um caminho cheio de obstáculos. Infelizmente, quando atingimos algum obstáculo, normalmente desistimos, ou voltamos a tentar, mas atingimos os mesmos obstáculos uma e outra vez, com os mesmos resultados. Em vez disso, pense no percurso e tente antecipar os obstáculos.

Se já falhou antes, pense no obstáculo que o impediu de suceder. Se nunca tentou mudar esse hábito, faça uma pesquisa e leia o que outras pessoas que já tiveram sucesso ou fracassaram têm a dizer, e descubra quais podem ser os obstáculos que o esperam. Depois elabore um plano com os detalhes do que fará quando se deparar perante esses mesmos obstáculos. Por exemplo, se você têm algumas dificuldades em controlar o seu apetite quando vai comer fora, deve desenvolver uma estratégia para não comer demais.

O que é que fará quando for comer fora? Quais são as suas estratégias? Você tem de pensar nelas antes de ir, porque quando o momento chega e não temos um plano, então já é tarde demais.

“Apesar das minhas melhores intenções, existem dias em que as coisas dão errado ou que eu caio nas mãos de velhos hábitos. Quando as coisas não vão bem, quando estou irritado ou nervoso, eu percebo que não tenho prestado atenção à minha alma e não tenho seguido meus melhores costumes.” Diz Robert Fulghum é filósofo, teólogo e autor do livro “Tudo que Eu Devia Saber Aprendi no Jardim de Infância”.

Na realidade, a maior parte dos hábitos é boa. Ajuda a nos vestir de manhã, amarrar os sapatos, escrever os nossos nomes, dentre outras tarefas rotineiras que não exigem nossa atenção exclusiva. Contudo, alguns hábitos são aborrecidos e indesejáveis, até mesmo autodestrutivos, e vão desde maneirismos nervosos e certas aberrações de linguagem, até fumar e comer em demasia.

Para a grande maioria das pessoas, pequenos ajustes no estilo de vida operam verdadeiros milagres quando o assunto é hábitos.

O segredo é mudar um hábito de cada vez, como ilustra esta pequena historia zen onde um grande samurai foi questionado como, em uma lendária batalha, ele havia derrotado 17 guerreiros. A resposta foi simples: um depois do outro.

Geralmente queremos mudar todos os nossas hábitos de uma vez, como nas promessas de final de ano que sempre fazemos, e no final de um mês, nos encontramos estafados e frustrados, pois nada mudou.

Escolha um único habito, aquele que mais lhe incomoda ou atrapalha seu desenvolvimento e se concentre apenas nele. Desenvolva uma estratégia de reversão deste habito. Por exemplo, você não tem o habito de ler e isso está dificultando o seu desenvolvimento.

Segundo uma pesquisa 90% das pessoas que leem menos do que deveriam alegam falta de tempo. Tente ler trinta minutos por dia, se você for lento conseguirá ler aproximadamente quinze paginas, se levarmos em conta um ano comercial, isto é, sem feriados, finais de semana, ferias etc teríamos duzentos dias úteis, multiplicados pelas suas quinze paginas, alcançaríamos o volume de três mil paginas lidas anualmente, ou seja, dez livros de trezentas paginas. Já é um bom começo para alguém mal lia uma revista inteira.

Tudo está ligado ao seu comprometimento pessoal. Eu quero, eu faço.

Segundo Samuel Beckett dramaturgo, escritor irlandês e vencedor do Prêmio Nobel de Literatura em 1969, “Respirar é um hábito. A vida é um hábito. Ou melhor, a vida é uma sucessão de hábitos, porque o indivíduo é uma sucessão de indivíduos”.

Existe uma história budista sobre um homem e um cavalo. O cavalo está galopando rapidamente, e parece que o homem que cavalga se dirige a algum lugar importante. Um outro homem, em pé ao lado da estrada, grita: “Para onde você está indo?” E o homem a cavalo responde: “Não sei. Pergunte ao cavalo!”

Esta é a nossa história. Estamos todos sobre um cavalo, não sabemos aonde vamos e não conseguimos parar. O cavalo é à força de nossos hábitos que nos puxa, e somos impotentes diante dela. Estamos sempre correndo, e isso já se tornou um hábito. Estamos acostumados a lutar o tempo todo, até mesmo durante o sono. Estamos em guerra com nós mesmos, e é fácil declarar guerra aos outros também.

A força do hábito costuma ser mais forte do que nossa vontade. Dizemos e fazemos coisas que não queremos e depois nos arrependemos.

Alguns comportamentos podem causar sérios prejuízos tanto dentro de uma empresa como em sua vida pessoal. A ansiedade, por exemplo, gera instabilidade e confusão no ambiente, tornando as pessoas nervosas. Além de outros comportamentos deletérios como o crítico, o depressivo, o mal humorado, o arrogante, egoísmo, autoritarismo dentre vários outros.

Estes são alguns dos hábitos inadequados que fazem com que essas pessoas se sintam cada vez mais sozinhas e isoladas, sem entender o motivo de tal isolamento. Para mudar um hábito, comece a observar-se. Perceba qual é a reação que o seu comportamento causa nas pessoas ao seu redor. Você pode estar se afastando de pessoas queridas por falta de observação. Sentir-se o dono da verdade pode torná-lo arrogante. Jamais se esqueça que você só tem o direito de olhar uma pessoa de cima se for para ajudá-la a levantar-se.

Uma auto-analise do seu próprio comportamento lhe dará subsídios para montar uma estratégia de mudança de hábitos. Faça uma lista em ordem de importância com os seus hábitos deletérios de um lado e os saudáveis do outro. Depois descreva um breve plano de ação de como modificar cada um dos seus hábitos dielétricos seguidos de prazos.E mãos á obra.

Eu fiz parecer simples, mas não significa que seja fácil. Isto não acontecerá automaticamente, somente por que você está lendo este livro ou por ter belos pensamentos. Não existe mágica. Você tem que entrar em ação.

Cuidado com a síndrome da segunda feira. Quantas vezes você já prometeu para você mesmo começar alguma mudança na segunda feira e ela nunca começou. Se prometer comece agora, neste instante, não crie mais outro habito, o de mentir pra você mesmo.

É vital que as nossas crenças, os nossos hábitos e a nossa história de vida estejam também em sintonia. Tudo isso está no lado do cérebro inconsciente.

Fazendo uma comparação bem simples, o que acontece é mais o menos o seguinte: o lado consciente escolhe mudar, mas esquece de contar a novidade para o lado inconsciente. Como o inconsciente é muito maior e influencia todos os nossos hábitos, sem saber da mudança, ele continua com o comportamento velho alem de sabotar todas as suas tentativas de mudança.

O nosso inconsciente resiste às mudanças de hábitos, justamente porque é feito para economizar esforços. Aquilo que fazemos rotineiramente torna-se fácil e progressivamente compulsório e a força do hábito torna-se quase invencível! Isto, por incrível que pareça, é um prático recurso para facilitar o nosso dia-a-dia. Imagine se você tivesse que tornar consciente o ato de andar, comer, dirigir etc.

O problema ocorre quando alguns de seus padrões de hábito inconscientes não funcionam mais tão bem para você. Eles podem automaticamente te impedir de obter o que você quer. Eles provavelmente estão operando até mesmo agora, impedindo você atinja os seus objetivos.

Por exemplo, uma criança recém-nascida aprende a chorar quando está com fome ou com a fralda suja. Chorar é muito eficaz para ela. Ela chora, e alguém rapidamente vem ver o que ele precisa. Mas esta resposta automática perde sua eficácia quando nos tornamos adultos.

Agora imagine alguém, pode ser do trabalho ou da família, gesticulando muito, aumentando o tom de voz, o rosto ficando vermelho e talvez até agitando os braços ou batendo os punhos em numa mesa somente porque está frustrado e não consegue o que querem. Não lembra a reação de um bebê chamando a atenção para as suas necessidades básicas?

Este gatilho é chamado de sequestro de amídala e desenterra um padrão de hábito inconsciente que foi eficaz quando criança, mas agora sob pressão, ele vem á tona sabotando o seu próprio comportamento.

Velhos hábitos impedem novos sucessos. Pense nisso!

Roberto Recinella, consultor PHD Desenvolvimento Humano

Habits: a blessing or a curse?

The world is full of people who cry and moan and leave for tomorrow what should be done today, the habit of these people towards life and work determines most of your success or failure.

Habits are patterns of behavior which become automatic after a certain period of time according to a constant frequency and repetition.

We all have habits and behavioral patterns that dominate us and make us suffer on many levels: physically, mentally, emotionally. Many of us feel unhappy and even locked, but we continue to repeat the same behavior and the same life situations that make us suffer.

A habit is like a rope. Every day join another wire, until it becomes extremely difficult to break it.

A look inside with an honest attitude of self-assessment is the first step to change. If perhaps you are not happy with the direction of your life, chances are very strong that some habits need to be canceled or radically replaced. Remember that we make our habits, but after a certain period are the habits that make us.

Each change of habit is a path full of obstacles. Unfortunately, when we hit an obstacle, usually give up, or trying to turn, but reached the same obstacles again and again, with the same results. Instead, think about the route and try to anticipate the obstacles.

If you have failed before, think of the obstacle which prevented him from succeeding. If you have never tried to change this habit, do a search and read what other people who have already succeeded or failed have to say, and find out what may be the obstacles that await. Then make a plan with the details of what will you do when you encounter these same obstacles before. For example, if you have some difficulties in controlling your appetite when eating out vai, should develop a strategy to not overeat.

What will you do when you eat out? What are your strategies? You have to think about them before you go, because when the time comes and we do not have a plan, then it is too late.

“Despite my best intentions, there are days when things go wrong or I fall into the hands of old habits. When things are not going well, when I’m angry or nervous, I realize that I have not paid attention to my soul and not I followed my best manners. ” Says Robert Fulghum is a philosopher, theologian and author of “Everything I Know I should have learned in kindergarten.”

In fact, most habits is good. Help us to wear in the morning, tie shoes, write our names, among other routine tasks that do not require our undivided attention. However, some habits are boring and undesirable, even self-destructive, and go from nervous mannerisms and language of certain aberrations, even smoking and overeating.

For the vast majority of people, small adjustments in lifestyle operate miracles when it comes to habits.

The secret is to change one habit at a time, as this little story illustrates zen where a large samurai was asked how, in a legendary battle, he had defeated 17 warriors. The answer was simple: one after the other.

Generally we want to change our habits all at once, as the promises end of year we always do, and at the end of a month, we are overworked and frustrated because nothing has changed.

Choose one habit, one that most bothers you or hinder its development and focus only on him. Develop a strategy for reversing this habit. For example, you do not have the habit of reading and this is hampering their development.

According to a survey 90% of people who read less than they should claim lack of time. Try to read thirty minutes a day, if you are able to slow read about fifteen pages, if we consider a trading year, ie, no holidays, weekends, holidays etc would useful two hundred days, multiplied by its fifteen pages, would reach the volume three thousand pages read annually, or ten books of three hundred pages. Already a good start for someone barely read an entire magazine.

Everything is connected to your personal commitment. I want, I do.

According to playwright Samuel Beckett, Irish writer and winner of the Nobel Prize for Literature in 1969, “Breathing is a habit. Life is a habit. Rather, life is a succession of habits, because the individual is a succession of individuals.”

There is a Buddhist story about a man and a horse. The horse is galloping quickly, and it seems that the man who rides goes somewhere important. Another man, standing alongside the road, screaming: “Where are you going?” And the man the horse responds: “I do not know. Ask the horse!”

This is our story. We are all on a horse, do not know where we’re going and not stop. The horse is the force that pulls our habits, and we are powerless before her. We are always running, and this has become a habit. We used to fight all the time, even during sleep. We are at war with ourselves, and it is easy to wage war on others too.

The force of habit is often stronger than our will. Say and do things we do not want and then repent.

Some behaviors can cause serious harm both within a company and in your personal life. Anxiety, for example, generates instability and confusion in the environment, making people nervous. In addition to other harmful behaviors such as critical, the depressed, the grumpy, arrogant, selfish, authoritarianism among several others.

These are some of the poor habits that make these people feel increasingly lonely and isolated, without understanding the reason for this isolation. To change a habit, start to look up. Realize what is the reaction that their behavior has on people around you. You may be away from loved ones for lack of observation. Feeling the owner of the truth can make you arrogant. Never forget that you only have the right to look up a person if it is to help her get up.

A self-analysis of their own behavior will give subsidies to build a strategy for changing habits. Make a list in order of importance with their harmful habits on one side and the other healthy. After describing a brief action plan of how to modify each of their habits dielectrics followed prazos.E get to work.

I did seem simple, but does not make it easy. This will not happen automatically just because you’re reading this book or to have beautiful thoughts. There is no magic. You have to take action.

Beware syndrome Monday. How many times have you promised yourself to get some change on Monday and she never started. If promising start now, this instant, do not create yet another habit, to lie to yourself.

It is vital that our beliefs, our habits and our life history are also in tune. All this is on the side of the unconscious brain.

Making a comparison quite simple, what is more or less the following: the conscious side chooses change, but forgets to tell the news to the unconscious side. As the unconscious is much larger and influences all our habits, unaware of the change, he continues with the old behavior besides sabotage all your attempts at change.

Our unconscious resists change of habits, precisely because it is done to save efforts. What we do routinely becomes progressively easier and compulsory force of habit and becomes almost invincible! This, oddly enough, is a practical resource to facilitate our day-to-day. Imagine if you had to make the conscious act of walking, eating, driving etc..

The problem occurs when some of his unconscious habit patterns no longer work as well for you. They can automatically stop you from getting what you want. They probably are operating even now preventing you reach your goals.

For example, a newborn child learns to cry when hungry or with a dirty diaper. Cry is very effective for it. She cries, and someone comes quickly see what he needs. But this automatic response loses its effectiveness when we become adults.

Now imagine someone can be from work or family, much gesticulating, raising his voice, his face turning red and maybe even waving his arms and banging his fists on a table just because they are frustrated and can not get what they want. Do not remember the reaction of a baby calling attention to their basic needs?

This trigger is called sequestration amygdala and unearths a pattern of unconscious habit which was effective as a child, but now under pressure, he comes to the surface sabotaging their own behavior.

Old habits prevent new successes. Think about it!

O mundo está cheio de pessoas que choram, reclamam e deixam para amanhã o que deve ser feito hoje, o hábito dessas pessoas frente à vida e ao trabalho determina a maior parte do seu sucesso ou fracasso.

Hábitos são padrões de comportamentos que se tornam automáticos depois de um certo período de tempo em função de uma constante frequência e repetição.

Todos nós temos padrões e hábitos comportamentais que nos dominam e nos fazem sofrer a vários níveis: fisicamente, mentalmente, emocionalmente. Muitos de nós sente-se bloqueado e mesmo infelizes, mas continuamos a repetir os mesmos comportamentos e a viver as mesmas situações que nos fazem sofrer.

Um hábito é como uma corda. Todos os dias juntamos mais um fio, até que se torna extremamente difícil quebrá-lo.

Um olhar interior com uma atitude honesta de auto-avaliação é o primeiro passo para mudança. Se porventura você não está feliz com a direção da sua vida, existem chances muito fortes de que alguns hábitos precisam ser anulados ou radicalmente substituídos. Lembre-se que nós fazemos os nossos hábitos, mas depois de um certo período são os hábitos que nos fazem.

Cada mudança de hábito é um caminho cheio de obstáculos. Infelizmente, quando atingimos algum obstáculo, normalmente desistimos, ou voltamos a tentar, mas atingimos os mesmos obstáculos uma e outra vez, com os mesmos resultados. Em vez disso, pense no percurso e tente antecipar os obstáculos.

Se já falhou antes, pense no obstáculo que o impediu de suceder. Se nunca tentou mudar esse hábito, faça uma pesquisa e leia o que outras pessoas que já tiveram sucesso ou fracassaram têm a dizer, e descubra quais podem ser os obstáculos que o esperam. Depois elabore um plano com os detalhes do que fará quando se deparar perante esses mesmos obstáculos. Por exemplo, se você têm algumas dificuldades em controlar o seu apetite quando vai comer fora, deve desenvolver uma estratégia para não comer demais.

O que é que fará quando for comer fora? Quais são as suas estratégias? Você tem de pensar nelas antes de ir, porque quando o momento chega e não temos um plano, então já é tarde demais.

“Apesar das minhas melhores intenções, existem dias em que as coisas dão errado ou que eu caio nas mãos de velhos hábitos. Quando as coisas não vão bem, quando estou irritado ou nervoso, eu percebo que não tenho prestado atenção à minha alma e não tenho seguido meus melhores costumes.” Diz Robert Fulghum é filósofo, teólogo e autor do livro “Tudo que Eu Devia Saber Aprendi no Jardim de Infância”.

Na realidade, a maior parte dos hábitos é boa. Ajuda a nos vestir de manhã, amarrar os sapatos, escrever os nossos nomes, dentre outras tarefas rotineiras que não exigem nossa atenção exclusiva. Contudo, alguns hábitos são aborrecidos e indesejáveis, até mesmo autodestrutivos, e vão desde maneirismos nervosos e certas aberrações de linguagem, até fumar e comer em demasia.

Para a grande maioria das pessoas, pequenos ajustes no estilo de vida operam verdadeiros milagres quando o assunto é hábitos.

O segredo é mudar um hábito de cada vez, como ilustra esta pequena historia zen onde um grande samurai foi questionado como, em uma lendária batalha, ele havia derrotado 17 guerreiros. A resposta foi simples: um depois do outro.

Geralmente queremos mudar todos os nossas hábitos de uma vez, como nas promessas de final de ano que sempre fazemos, e no final de um mês, nos encontramos estafados e frustrados, pois nada mudou.

Escolha um único habito, aquele que mais lhe incomoda ou atrapalha seu desenvolvimento e se concentre apenas nele. Desenvolva uma estratégia de reversão deste habito. Por exemplo, você não tem o habito de ler e isso está dificultando o seu desenvolvimento.

Segundo uma pesquisa 90% das pessoas que leem menos do que deveriam alegam falta de tempo. Tente ler trinta minutos por dia, se você for lento conseguirá ler aproximadamente quinze paginas, se levarmos em conta um ano comercial, isto é, sem feriados, finais de semana, ferias etc teríamos duzentos dias úteis, multiplicados pelas suas quinze paginas, alcançaríamos o volume de três mil paginas lidas anualmente, ou seja, dez livros de trezentas paginas. Já é um bom começo para alguém mal lia uma revista inteira.

Tudo está ligado ao seu comprometimento pessoal. Eu quero, eu faço.

Segundo Samuel Beckett dramaturgo, escritor irlandês e vencedor do Prêmio Nobel de Literatura em 1969, “Respirar é um hábito. A vida é um hábito. Ou melhor, a vida é uma sucessão de hábitos, porque o indivíduo é uma sucessão de indivíduos”.

Existe uma história budista sobre um homem e um cavalo. O cavalo está galopando rapidamente, e parece que o homem que cavalga se dirige a algum lugar importante. Um outro homem, em pé ao lado da estrada, grita: “Para onde você está indo?” E o homem a cavalo responde: “Não sei. Pergunte ao cavalo!”

Esta é a nossa história. Estamos todos sobre um cavalo, não sabemos aonde vamos e não conseguimos parar. O cavalo é à força de nossos hábitos que nos puxa, e somos impotentes diante dela. Estamos sempre correndo, e isso já se tornou um hábito. Estamos acostumados a lutar o tempo todo, até mesmo durante o sono. Estamos em guerra com nós mesmos, e é fácil declarar guerra aos outros também.

A força do hábito costuma ser mais forte do que nossa vontade. Dizemos e fazemos coisas que não queremos e depois nos arrependemos.

Alguns comportamentos podem causar sérios prejuízos tanto dentro de uma empresa como em sua vida pessoal. A ansiedade, por exemplo, gera instabilidade e confusão no ambiente, tornando as pessoas nervosas. Além de outros comportamentos deletérios como o crítico, o depressivo, o mal humorado, o arrogante, egoísmo, autoritarismo dentre vários outros.

Estes são alguns dos hábitos inadequados que fazem com que essas pessoas se sintam cada vez mais sozinhas e isoladas, sem entender o motivo de tal isolamento. Para mudar um hábito, comece a observar-se. Perceba qual é a reação que o seu comportamento causa nas pessoas ao seu redor. Você pode estar se afastando de pessoas queridas por falta de observação. Sentir-se o dono da verdade pode torná-lo arrogante. Jamais se esqueça que você só tem o direito de olhar uma pessoa de cima se for para ajudá-la a levantar-se.

Uma auto-analise do seu próprio comportamento lhe dará subsídios para montar uma estratégia de mudança de hábitos. Faça uma lista em ordem de importância com os seus hábitos deletérios de um lado e os saudáveis do outro. Depois descreva um breve plano de ação de como modificar cada um dos seus hábitos dielétricos seguidos de prazos.E mãos á obra.

Eu fiz parecer simples, mas não significa que seja fácil. Isto não acontecerá automaticamente, somente por que você está lendo este livro ou por ter belos pensamentos. Não existe mágica. Você tem que entrar em ação.

Cuidado com a síndrome da segunda feira. Quantas vezes você já prometeu para você mesmo começar alguma mudança na segunda feira e ela nunca começou. Se prometer comece agora, neste instante, não crie mais outro habito, o de mentir pra você mesmo.

É vital que as nossas crenças, os nossos hábitos e a nossa história de vida estejam também em sintonia. Tudo isso está no lado do cérebro inconsciente.

Fazendo uma comparação bem simples, o que acontece é mais o menos o seguinte: o lado consciente escolhe mudar, mas esquece de contar a novidade para o lado inconsciente. Como o inconsciente é muito maior e influencia todos os nossos hábitos, sem saber da mudança, ele continua com o comportamento velho alem de sabotar todas as suas tentativas de mudança.

O nosso inconsciente resiste às mudanças de hábitos, justamente porque é feito para economizar esforços. Aquilo que fazemos rotineiramente torna-se fácil e progressivamente compulsório e a força do hábito torna-se quase invencível! Isto, por incrível que pareça, é um prático recurso para facilitar o nosso dia-a-dia. Imagine se você tivesse que tornar consciente o ato de andar, comer, dirigir etc.

O problema ocorre quando alguns de seus padrões de hábito inconscientes não funcionam mais tão bem para você. Eles podem automaticamente te impedir de obter o que você quer. Eles provavelmente estão operando até mesmo agora, impedindo você atinja os seus objetivos.

Por exemplo, uma criança recém-nascida aprende a chorar quando está com fome ou com a fralda suja. Chorar é muito eficaz para ela. Ela chora, e alguém rapidamente vem ver o que ele precisa. Mas esta resposta automática perde sua eficácia quando nos tornamos adultos.

Agora imagine alguém, pode ser do trabalho ou da família, gesticulando muito, aumentando o tom de voz, o rosto ficando vermelho e talvez até agitando os braços ou batendo os punhos em numa mesa somente porque está frustrado e não consegue o que querem. Não lembra a reação de um bebê chamando a atenção para as suas necessidades básicas?

Este gatilho é chamado de sequestro de amídala e desenterra um padrão de hábito inconsciente que foi eficaz quando criança, mas agora sob pressão, ele vem á tona sabotando o seu próprio comportamento.

Velhos hábitos impedem novos sucessos. Pense nisso!

Roberto Recinella, consultor PHD Desenvolvimento Humano

Habits: a blessing or a curse?

The world is full of people who cry and moan and leave for tomorrow what should be done today, the habit of these people towards life and work determines most of your success or failure.

Habits are patterns of behavior which become automatic after a certain period of time according to a constant frequency and repetition.

We all have habits and behavioral patterns that dominate us and make us suffer on many levels: physically, mentally, emotionally. Many of us feel unhappy and even locked, but we continue to repeat the same behavior and the same life situations that make us suffer.

A habit is like a rope. Every day join another wire, until it becomes extremely difficult to break it.

A look inside with an honest attitude of self-assessment is the first step to change. If perhaps you are not happy with the direction of your life, chances are very strong that some habits need to be canceled or radically replaced. Remember that we make our habits, but after a certain period are the habits that make us.

Each change of habit is a path full of obstacles. Unfortunately, when we hit an obstacle, usually give up, or trying to turn, but reached the same obstacles again and again, with the same results. Instead, think about the route and try to anticipate the obstacles.

If you have failed before, think of the obstacle which prevented him from succeeding. If you have never tried to change this habit, do a search and read what other people who have already succeeded or failed have to say, and find out what may be the obstacles that await. Then make a plan with the details of what will you do when you encounter these same obstacles before. For example, if you have some difficulties in controlling your appetite when eating out vai, should develop a strategy to not overeat.

What will you do when you eat out? What are your strategies? You have to think about them before you go, because when the time comes and we do not have a plan, then it is too late.

“Despite my best intentions, there are days when things go wrong or I fall into the hands of old habits. When things are not going well, when I’m angry or nervous, I realize that I have not paid attention to my soul and not I followed my best manners. ” Says Robert Fulghum is a philosopher, theologian and author of “Everything I Know I should have learned in kindergarten.”

In fact, most habits is good. Help us to wear in the morning, tie shoes, write our names, among other routine tasks that do not require our undivided attention. However, some habits are boring and undesirable, even self-destructive, and go from nervous mannerisms and language of certain aberrations, even smoking and overeating.

For the vast majority of people, small adjustments in lifestyle operate miracles when it comes to habits.

The secret is to change one habit at a time, as this little story illustrates zen where a large samurai was asked how, in a legendary battle, he had defeated 17 warriors. The answer was simple: one after the other.

Generally we want to change our habits all at once, as the promises end of year we always do, and at the end of a month, we are overworked and frustrated because nothing has changed.

Choose one habit, one that most bothers you or hinder its development and focus only on him. Develop a strategy for reversing this habit. For example, you do not have the habit of reading and this is hampering their development.

According to a survey 90% of people who read less than they should claim lack of time. Try to read thirty minutes a day, if you are able to slow read about fifteen pages, if we consider a trading year, ie, no holidays, weekends, holidays etc would useful two hundred days, multiplied by its fifteen pages, would reach the volume three thousand pages read annually, or ten books of three hundred pages. Already a good start for someone barely read an entire magazine.

Everything is connected to your personal commitment. I want, I do.

According to playwright Samuel Beckett, Irish writer and winner of the Nobel Prize for Literature in 1969, “Breathing is a habit. Life is a habit. Rather, life is a succession of habits, because the individual is a succession of individuals.”

There is a Buddhist story about a man and a horse. The horse is galloping quickly, and it seems that the man who rides goes somewhere important. Another man, standing alongside the road, screaming: “Where are you going?” And the man the horse responds: “I do not know. Ask the horse!”

This is our story. We are all on a horse, do not know where we’re going and not stop. The horse is the force that pulls our habits, and we are powerless before her. We are always running, and this has become a habit. We used to fight all the time, even during sleep. We are at war with ourselves, and it is easy to wage war on others too.

The force of habit is often stronger than our will. Say and do things we do not want and then repent.

Some behaviors can cause serious harm both within a company and in your personal life. Anxiety, for example, generates instability and confusion in the environment, making people nervous. In addition to other harmful behaviors such as critical, the depressed, the grumpy, arrogant, selfish, authoritarianism among several others.

These are some of the poor habits that make these people feel increasingly lonely and isolated, without understanding the reason for this isolation. To change a habit, start to look up. Realize what is the reaction that their behavior has on people around you. You may be away from loved ones for lack of observation. Feeling the owner of the truth can make you arrogant. Never forget that you only have the right to look up a person if it is to help her get up.

A self-analysis of their own behavior will give subsidies to build a strategy for changing habits. Make a list in order of importance with their harmful habits on one side and the other healthy. After describing a brief action plan of how to modify each of their habits dielectrics followed prazos.E get to work.

I did seem simple, but does not make it easy. This will not happen automatically just because you’re reading this book or to have beautiful thoughts. There is no magic. You have to take action.

Beware syndrome Monday. How many times have you promised yourself to get some change on Monday and she never started. If promising start now, this instant, do not create yet another habit, to lie to yourself.

It is vital that our beliefs, our habits and our life history are also in tune. All this is on the side of the unconscious brain.

Making a comparison quite simple, what is more or less the following: the conscious side chooses change, but forgets to tell the news to the unconscious side. As the unconscious is much larger and influences all our habits, unaware of the change, he continues with the old behavior besides sabotage all your attempts at change.

Our unconscious resists change of habits, precisely because it is done to save efforts. What we do routinely becomes progressively easier and compulsory force of habit and becomes almost invincible! This, oddly enough, is a practical resource to facilitate our day-to-day. Imagine if you had to make the conscious act of walking, eating, driving etc..

The problem occurs when some of his unconscious habit patterns no longer work as well for you. They can automatically stop you from getting what you want. They probably are operating even now preventing you reach your goals.

For example, a newborn child learns to cry when hungry or with a dirty diaper. Cry is very effective for it. She cries, and someone comes quickly see what he needs. But this automatic response loses its effectiveness when we become adults.

Now imagine someone can be from work or family, much gesticulating, raising his voice, his face turning red and maybe even waving his arms and banging his fists on a table just because they are frustrated and can not get what they want. Do not remember the reaction of a baby calling attention to their basic needs?

This trigger is called sequestration amygdala and unearths a pattern of unconscious habit which was effective as a child, but now under pressure, he comes to the surface sabotaging their own behavior.

Old habits prevent new successes. Think about it!

Posted in Comportamento | Leave a Comment »