PrimeWork (Ano IX)

Liderança, Atitude, Desafios, Ações e Conquistas para o Empreendedor Moderno

  • About

    O Mundo todo celebra uma grande capacidade humana de empreender.

    Do mesmo modo que é vibrante, a estrada do empreendedor é repleta de obstáculos. Quer para abrir ou fazer crescer um negócio próprio, quer para avançar propositivamente dentro de uma corporação.

    Nesse sentido este blog busca preencher com informações, entrevistas e cases de sucesso pessoal e corporativo as muitas lacunas que se abrem quando surge o tema da iniciativa pessoal dos negócios.

    Esperamos que este blog, possa de alguma forma contribuir para o crescimento dos empreendedores.

    Haroldo Wittitz, Editor and Publisher

    The whole world celebrates a great human capacity to undertake.

    Similarly that is vibrant, the way to entrepreneurship is fraught with obstacles. Want to open or grow a business, want to move forward with proposals within a corporation.

    In this sense seeks to fill this blog with information, interviews and success stories of the many personal and corporate loopholes that open when the subject arises from the personal initiative of business.

    We hope this blog, can somehow contribute to the growth of entrepreneurs.

  • Enter your email address to follow this blog and receive notifications of new posts by email.

  • Posts recentes

  • Agenda

    janeiro 2016
    D S T Q Q S S
    « dez   fev »
     12
    3456789
    10111213141516
    17181920212223
    24252627282930
    31  

Archive for 17 de janeiro de 2016

Ética e Empreendedorismo

Posted by HWBlog em 17/01/2016

eticaRecentemente, muitas pessoas acompanharam o seriado que retratava a vida e “obra” do maior narcotraficante de todos os tempos, Pablo Escobar. Como eu me lembrava da maioria dos fatos da época, fiquei muito interessado em pesquisar mais e relembrar algumas coisas sobre a vida desse “fenômeno”, que só existiu graças a corrupção, ignorância e pobreza de muitos.

Apesar de repudiar todas as atrocidades feitas por ele e de ser radicalmente contra qualquer tipo de contravenção, não pude deixar de assistir a um outro seriado (melhor ainda) produzido pela TV colombiana, dessa vez com os olhos de alguém que gosta de observar e analisar o comportamento de empreendedores. Minha proposta era tentar esquecer um pouco as coisas terríveis feitas por esse homem e analisar as suas ações identificando acertos e erros, sob a ótica empreendedora.

Como tem sido demonstrado em todas as biografias, documentários e seriados, Pablo Escobar era uma pessoa dotada de uma inteligência analítica e estratégica acima da média, alem de possuir uma fantástica visão de oportunidades e ousadia (para não dizer “agressividade”) nos negócios.

Esses atributos geralmente indicam uma grande probabilidade de sucesso. No entanto, se não houver uma inteligência emocional agregada a essas competências, a probabilidade de fracasso será muito maior do que a de empreendedores que tenham uma inteligência apenas mediana, mas possuam uma inteligência emocional acentuada.

Confira abaixo os principais acertos e erros de Pablo Escobar que podem servir de lição para os nossos empreendedores.

ACERTOS

1. Conseguiu identificar uma necessidade de um mercado específico O reconhecimento de uma boa oportunidade – onde há um potencial mercado consumidor para a solução de um problema -, a percepção da escassez de um produto ou a identificação de um produto inovador é a base de qualquer empreendimento de sucesso.

2. Verificou a disposição dos membros desse mercado a pagarem pelo seu produto Uma solução ou produto que possa ser consumido por um mercado específico não é suficiente. O público deve estar disposto a pagar por esses produtos ou soluções, e os valores devem gerar lucro para a sua operação.

3. Influenciou toda a cadeia, da produção à distribuição Empreender é também expandir a sua área de influência. Desenvolver bons fornecedores e parceiros na distribuição e logística são cruciais em determinados tipos de operação. Nesse caso, Pablo Escobar estabeleceu essa influência, oferecendo sociedade a esses parceiros.

4. Entrou em um negócio que tinha as competências necessárias para gerenciar Embora ele estivesse entrando em um empreendimento novo, trazia competências anteriores adquiridas em negócios similares.

5. Anotava tudo O hábito de ter listas de tarefas a fazer evita a perda de foco e possibilita um melhor acompanhamento de suas atividades. Além disso, cria-se uma base histórica do seu negócio, facilitando o planejamento futuro.

6. Pensava em responsabilidade social No início de suas “atividades empresariais”, ele tinha uma preocupação legítima com a sua comunidade. Isso gerou uma grande admiração e suporte por parte da população local.

ERROS

1. Ficou arrogante Um dos primeiros sinais de potencial fracasso de um empreendedor é a arrogância oriunda do “sucesso”. Por conta dessa arrogância, empreendedores desrespeitam parceiros comerciais e perdem tempo e energia em projetos megalomaníacos. Ao longo do tempo, vão perdendo o respeito e confiança de todos os envolvidos.

2. Acreditou que sua influência e poder podiam tudo Ao conseguir aumentar a sua área de influência e ganhar muito dinheiro, passou a ter a sensação de poder influenciar tudo e todos. Parece algo fácil de entender, mas essa é uma das grandes armadilhas do sucesso para pessoas que não tem inteligência emocional: não suportar a frustração de ver algumas de suas empreitadas não se materializando em resultados.

3. Entrou em atividades que não conhecia Influenciado pelas arrogância e a sensação de poder tudo, entrou em uma área que não conhecia (a política), com a sensação de que conseguiria tudo. Não só não conseguiu, como foi expurgado dessa atividade e, como efeito colateral, perdeu o foco de seu negócio principal, alem de sofrer danos pessoais que impactaram no seu desempenho.

4. Afastou-se dos negócios para travar suas batalhas pessoais Por conta de sua vaidade e sensação de poder tudo, concentrou-se em batalhas pessoais que não agregavam nenhum valor para si nem para seu negócio. Quantos empreendedores não entram em disputas judiciais ou “brigas” com seus concorrentes apenas pelo prazer de “eliminar” os inimigos, que, na maioria dos casos nem representam ameaça real?

5. Não foi fiel com seus parceiros de negócio Se, no início da carreira, mantinha a sua palavra e respeitava os parceiros, mais tarde passou a adotar a política de só aumentar seus próprios ganhos, em detrimento aos de seus “parceiros comerciais”.

Sei que, à primeira vista,  analisarmos um narcotraficante como exemplo de empreendedorismo pode ser muito ruim. No entanto, escolhi esse exemplo propositadamente para que, alem das análises acima, façamos a seguinte reflexão. Quantas vezes admiramos e nos inspiramos em empreendedores pelo  simples fato de terem ganho muito dinheiro, sem nos preocuparmos com os meios que utilizaram para atingir esse sucesso?

Será que não está na hora da comunidade empreendedora e das entidades que fomentam o empreendedorismo pararem de idolatrar empreendedores apenas pelo seu sucesso financeiro? Será que não está na hora de passar a ser mais seletivo e criterioso quanto aos métodos utilizados para chegar lá? E quanto à maneira como tratam a comunidade e seus colaboradores? E, finalmente, quanto à quantidade de crimes “indiretos” que  alguns deles já cometeram? Quantos Pablo Escobar não existem ainda, travestidos de empreendedores e benfeitores?

Creio que essa seria uma grande contribuição que a comunidade empreendedora estaria dando para a melhoria da ética em  nosso país.

Carlos Miranda

Posted in Ética, Empreendedorismo | Leave a Comment »

Planejamento Estratégico

Posted by HWBlog em 17/01/2016

tabuleiro de xadrezPara todo empreendedor que deseja  crescer, um dos primeiros passos é entender como iniciar algo que proporcione boas chances de sucesso ao negócio. Como o próprio significado da palavra indica, planejar estratégias é uma arte que requer eficiência, informações adequadas e conhecimento de mercado, para que as decisões tomadas estejam bem casadas com a visão de futuro da empresa.

É aconselhável, para todas as situações, que o plano esteja traçado no papel antes que seja colocado em ação. Portanto, o inicio de todo planejamento estratégico passa por algumas definições simples:

· Quem somos? Qual a nossa missão? Qual a relevância do nosso negócio para o mercado? Afinal, aonde queremos chegar?

· Quais os atores envolvidos nesse planejamento? Quem deve ter participação importante nas análises que traçarão os caminhos da empresa;

· Definidos os papeis de cada um, é o momento de ter em mãos o máximo de informações que lhe darão uma visão mais completa do mercado. Saiba de tudo que se refere à análise de mercado, crescimento e desenvolvimento de funcionários,  concorrentes, áreas e mercados para explorar;

· Esteja informado sobre os insumos (internos e externos) para realização de seu negócio. O entendimento de mercado é tão bom quanto à compreensão do que ocorre dentro da sua própria empresa.

A importância das métricas dentro do seu planejamento estratégico

Acabaram-se os anos em que o que importava era bater o concorrente com gastos milionários em campanhas publicitárias. Hoje, quem não realizar uma métrica bem relacionada com o planejamento e ambições da empresa estará atrasado.

As métricas nada mais são do que estratégias para mensurar qualquer investimento ou ação relacionada à sua empresa, em quantidade e qualidade. Mas o mais importante é que ela deve estar diretamente relacionada aos planos de estratégia. Não adianta ter números e mais números, bons ou ruins, se esses números não estiverem dando respostas conclusivas para a gestão do negócio, se estamos ou não estamos chegando mais perto dos nossos grandes objetivos. Portanto,  métricas de sucesso  são aquelas em que os resultados serão um termômetro para saber se os objetivos da empresa estão sendo alcançados.

Colocando em prática

Sair do papel e ir para a realidade pode muitas vezes ser um tema complicado para o empreendedor. Portanto, a primeira coisa que devemos levar em consideração na parte da execução é analisar como fazemos o que fazemos. Ou seja, qual é a forma como conduzimos o processo de pessoas/equipe, a estratégia e nossos planos operacionais. Quanto mais organizada e bem feita for essa execução, mais poderemos medir o nível de maturidade de uma empresa.

Por exemplo, as realizações de reuniões periódicas precisam trazer realidade aos debates e alguns obstáculos que exigirão decisões. O nível de profissionalismo que se darão essas reuniões e as decisões feitas a partir desses possíveis obstáculos darão o tom da eficiência da sua execução. No livro “Execução”, escrito por Larry Bossidy & Ram Charan, a definição da palavra para a gestão empresarial é esclarecedora: “No seu sentido fundamental, executar é uma forma sistemática de expor a realidade e agir sobre ela”.

Contudo, a sua prática está diretamente relacionada à seriedade e organização com que trata a execução de seus planejamentos. Será sempre um desafio mental complexo, sem muita intuição, mas de um pensamento sistêmico e de forte trabalho. Veja alguns pontos a que devemos nos atentar:

· A sincronia dos processos de gestão pessoas, estratégia e rotina são essenciais para uma boa execução;

· Divisão de funções, atribuições e responsabilidades são partes importantes para alcançarmos os objetivos com organização;

· Não devemos dar passos maiores do que podemos. Planos maiores que nossa capacidade geram frustação, pois, plano bom é aquele conseguimos implantar estando dentro da realidade;

· Se quisermos uma execução boa, devemos saber premiar e incentivar as pessoas envolvidas nessa evolução;

· Estar aberto a novas realidades, saber a hora de mudar e abrir mão de algo com flexibilidade e sabedoria, será um bom controle de qualidade dos seus planos estratégicos.

Um planejamento estratégico completo requer muito mais esforço e dedicação do que normalmente imaginamos, mas se feito com qualidade, formarão o caminho das pedras para a conquista de todos os seus objetivos. Empresas que colocam com eficiência todos os seus planos e práticas, são as que abandonam estratégias equivocadas com facilidade traçando novos rumos, aproveitando boas  oportunidades , formando grandes líderes e criando resultados mais sustentáveis e lucrativos. 

 

Posted in Empreendedorismo, Planejamento | Leave a Comment »

Coisas que os ricos não falam – e você também não deveria

Posted by HWBlog em 17/01/2016

plano de carreiraFalar com pessoas que ascenderam financeiramente por causa do empreendedorismo é uma experiência diferente. A confiança vai além do que está na carteira: a característica tem a ver com as atitudes e o jeito de falar desse grupo de pessoas. Ao perceber isso, o americano Steve Siebold escreveu o livro “How Rich People Think” (“Como Pessoas Ricas Pensam”, em tradução literal), destacando elementos além do dinheiro que separam os ricos de todo o resto. Isso inclui algumas frases que eles não dizem. Saiba quais são elas:

1 – “Não consigo bancar a minha ideia”
Muitos empreendedores têm grandes ideias que, na maioria das vezes, não são colocadas em prática por acharem que não terão dinheiro o suficiente para seguir adiante. Quando uma pessoa rica tem uma ideia que sabe que não poderá bancar, ela geralmente encontra outras formas de financiá-la, sem deixar a ideia de lado.

2 – “Não mereço ser rico”
Ainda tem muita gente que acredita não merecer ter mais dinheiro do que o necessário para levar uma boa vida. Já as pessoas ricas pensam da seguinte forma: “por que não eu?”. Essa crença faz com que eles se sintam muito mais motivados para perseguirem seus sonhos

3 – “Posso perder tudo”
Em vez de verem a perda como algo ruim, os ricos a enxergam como uma experiência com a qual podem aprender. Para eles, todo investimento requer estratégia e conhecimento dos benefícios e consequências. Quanto mais tentativas e aprendizados, menor é o risco de perda.

4 – “Odeio o meu trabalho”
A maioria das pessoas se arrasta todos os dias para trabalhos dos quais não gostam até que chegue o momento de se aposentarem. Os ricos sabem que o segredo da riqueza é o “combo” paixão e esforço. A primeira é o combustível para o segundo. Uma vez que você faz com que você gosta e com vontade, tudo se torna possível.

Posted in Empreendedorismo, Finanças | Leave a Comment »