PrimeWork (Ano VII)

Liderança, Atitude, Desafios, Ações e Conquistas para o Empreendedor Moderno

  • About

    O Mundo todo celebra uma grande capacidade humana de empreender.

    Do mesmo modo que é vibrante, a estrada do empreendedor é repleta de obstáculos. Quer para abrir ou fazer crescer um negócio próprio, quer para avançar propositivamente dentro de uma corporação.

    Nesse sentido este blog busca preencher com informações, entrevistas e cases de sucesso pessoal e corporativo as muitas lacunas que se abrem quando surge o tema da iniciativa pessoal dos negócios.

    Esperamos que este blog, possa de alguma forma contribuir para o crescimento dos empreendedores.

    Haroldo Wittitz, Editor and Publisher

    The whole world celebrates a great human capacity to undertake.

    Similarly that is vibrant, the way to entrepreneurship is fraught with obstacles. Want to open or grow a business, want to move forward with proposals within a corporation.

    In this sense seeks to fill this blog with information, interviews and success stories of the many personal and corporate loopholes that open when the subject arises from the personal initiative of business.

    We hope this blog, can somehow contribute to the growth of entrepreneurs.

  • Enter your email address to follow this blog and receive notifications of new posts by email.

  • Tópicos recentes

  • Agenda

    dezembro 2015
    D S T Q Q S S
    « nov   jan »
     12345
    6789101112
    13141516171819
    20212223242526
    2728293031  

Como sua empresa deve se preparar para 2016

Posted by HWBlog em 14/12/2015

networkingdecoração cada vez mais precoce de Natal é apenas mais uma demonstração de como este ano está difícil de passar. Parece que se o ano novo chegar mais rápido, as coisas poderão melhorar.

É como se o sufoco que muitos de nós estão sentindo fosse ser suavizado com as festas de final de ano. O esforço coletivo, talvez de autoilusão, para tornar ou dar a impressão de que as coisas poderão melhorar parece contaminar ou ao menos minimizar o gosto amargo na boca de um dos piores anos da história econômica recente do país.

Nesse post, sugerimos que é política inteligente para as empresas se prepararem para o pior, sempre. Às vezes, o ruim, como se desenhava este ano, acaba tornando-se péssimo, como acabou acontecendo. Pouca gente não foi afetada pela profunda crise deste ano. Afinal, a queda dramática do PIB, inflação e dólar estourando terminaram por destruir qualquer cenário “realista” construído no início do ano.

E as perspectivas para 2016 parecem ser igualmente sombrias e incertas. Se a sua empresa já está construindo os cenários para 2016 e preparando o seu plano estratégico e orçamento, talvez seja o momento de fazer uma reflexão sobre um dos processos mais importantes para qualquer empresa, a definição e o desdobramento da estratégia.

Algumas perguntas podem ajudar. A começar questionando: como foi esse processo nesse contexto de crise econômica que a empresa atravessou? Uma sugestão é definir os marcos temporários em que ocorreram as principais etapas. E mais: como esse processo foi construído? Como foram definidas as metas? Como se engajaram os colaboradores? Ao longo dos meses, as expectativas foram sendo atendidas ou não? Possivelmente não

Mas qual foi o processo de acompanhamento? Esteve apenas na direção? Envolveu a média gerência? E o restante da organização, como foi acompanhando?

Nesses momentos, muitas vezes as empresas parecem fechar as informações e as decisões achando que as pessoas não podem saber das más notícias. E as decisões impactantes, como reduzir pessoal, ficam restritas e tomam de surpresa a empresa, criando um clima extremante negativo para quem fica e também representando uma perda de conhecimentos e capacitação, arduamente construída ao longo dos anos.

Outra alternativa é comunicar sempre a realidade para, assim, poder engajar mais todos os colaboradores. Evidente que a diferença entre os resultados concretos esperados e os resultados realmente conquistados para o ano merecem uma avaliação profunda. Os principais indicadores financeiros, como o faturamento, o comportamento dos custos, as margens, merecem ser avaliados, como sempre.

Mas tão importante quanto olhar para esses números é entender o processo para poder melhorar em 2016. O que a empresa aprendeu este ano? Quais foram as novas iniciativas? O que a empresa fez diferente este ano que não estava dentro do planejamento? E como isso funcionou? É bem possível que a sua empresa tenha tentado algumas coisas novas para enfrentar o “tsunami” que estava chegando. Mas o que aconteceu efetivamente? Funcionou de acordo com o esperado? Por quê?

Esse aprendizado será muito útil neste novo ano que ainda vai demorar um pouco para chegar, mesmo com a nossa eventual torcida. Na construção de cenários para 2016, muitos poderão dizer que as coisas podem melhorar. É verdade. Mas continue incluindo um cenário muito pessimista e, mais importante, prepare-se bem para ele, quer ele venha ou não.

Preparar-se para o pior sempre ajuda. Se o pior não vier, você estará adequadamente preparado, sempre. Aprender como sua empresa definiu e desdobrou sua estratégia ao longo deste ano turbulento que se esvai pode ser um aprendizado fundamental para ajudar a navegar em um novo ano que parece igualmente difícil. Ainda dá tempo de fazer isso nessas próximas semanas.

José Roberto Ferro

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: