PrimeWork (Ano VII)

Liderança, Atitude, Desafios, Ações e Conquistas para o Empreendedor Moderno

  • About

    O Mundo todo celebra uma grande capacidade humana de empreender.

    Do mesmo modo que é vibrante, a estrada do empreendedor é repleta de obstáculos. Quer para abrir ou fazer crescer um negócio próprio, quer para avançar propositivamente dentro de uma corporação.

    Nesse sentido este blog busca preencher com informações, entrevistas e cases de sucesso pessoal e corporativo as muitas lacunas que se abrem quando surge o tema da iniciativa pessoal dos negócios.

    Esperamos que este blog, possa de alguma forma contribuir para o crescimento dos empreendedores.

    Haroldo Wittitz, Editor and Publisher

    The whole world celebrates a great human capacity to undertake.

    Similarly that is vibrant, the way to entrepreneurship is fraught with obstacles. Want to open or grow a business, want to move forward with proposals within a corporation.

    In this sense seeks to fill this blog with information, interviews and success stories of the many personal and corporate loopholes that open when the subject arises from the personal initiative of business.

    We hope this blog, can somehow contribute to the growth of entrepreneurs.

  • Enter your email address to follow this blog and receive notifications of new posts by email.

  • Tópicos recentes

  • Agenda

    abril 2013
    D S T Q Q S S
    « mar   maio »
     123456
    78910111213
    14151617181920
    21222324252627
    282930  

As 13 lições de liderança do filme Lincoln

Posted by HWBlog em 07/04/2013

lincoln“Frequentemente é necessário mais coragem para ousar fazer certo do que temer fazer errado”

Abraham Lincoln

“Ninguém é suficientemente competente para governar outra pessoa sem o seu consentimento”

Abraham Lincoln

“Quase todos os homens são capazes de suportar adversidades, mas se quiser por à prova o caráter de um homem, dê-lhe poder”

Abraham Lincoln

“Podeis enganar toda a gente durante um certo tempo; podeis mesmo enganar algumas pessoas todo o tempo; mas não vos será possível enganar sempre toda a gente”

Abraham Lincoln

Especialistas analisam o perfil de um dos ex-presidentes mais queridos dos Estados Unidos.

Por um lado, a compra de votos, a quebra de confiança com integrantes da equipe e o não respeito às regras. Por outro, a visão, a liderança inspiracional, a diplomacia, o controle emocional, o foco na solução e a capacidade de mudar de ideia.

Provavelmente um dos maiores trunfos do filme Lincoln, de Steven Spielberg, que mostra o ex-presidente norte americano que conseguiu a abolição da escravatura e o fim da Guerra de Secessão nos EUA, é mostrar um líder humano, com erros e acertos, dúvidas e certezas.

Interpretado por Daniel Day-Lewis, o Lincoln de Spielberg e do ator britânico coloca seus ideais e visão acima de tudo (e, muitas vezes, de todos), conquista apoio pelo dom da oratória e atinge, finalmente, resultados e metas. Qualquer semelhança com o mundo corporativo não é mera coincidência.

1. Nunca, nunca minta para sua equipe: um dos erros quase mortais de Lincoln no filme é que ele omite do secretário de Estado um acordo que havia feito com o líder dos republicanos para aprovar a abolição da escravatura. “Ele colocou em risco a confiança do principal funcionário. Deveria ter compartilhado e explicado o porquê da decisão. No mundo corporativo é tão difícil estabelecer alianças sólidas, que o melhor é sempre preservá-las”, avalia Van Marchetti, diretora da Attitude Plan. Homero Reis, sócio-diretor da Homero Reis e Consultores concorda e explica o perigo da quebra da confiança. “O líder se fundamenta no processo da consolidação da confiança. Se ele chamasse o secretário e apresentasse a decisão como uma estratégia, seria melhor.” Como lidar com casos parecidos? “Chama antes e combina o jogo”, diz ele.

2. Respeite as regras: no filme, Lincoln resiste a dar dinheiro aos congressistas do partido Democrata, mas aceita dar empregos para que eles votem a favor da emenda abolicionista. Um presidente (ou ex-presidente) pode até sobreviver a um escândalo como esses. Mas uma atitude destas pode significar a morte de uma empresa.

3. Cuidado para não virar um ditador: símbolo da recém-conquistada democracia nos EUA, Lincoln chega a ser apontado como um ditador por insistir na luta pela abolição, enquanto adia o fim da guerra, o que implica um número maior de morte de civis. Reis compara Lincoln com o personagem do Mito da Caverna, de Platão. Na parábola, os homens moram em uma caverna e só conhecem o mundo por sombras. Um dos acorrentados foge, vê as coisas como elas são e volta para contar, mas acaba morto por seus companheiros. “Todo indivíduo que se sobressai na sociedade tem de fazer uma escolha. Geralmente ele escolhe algo que ninguém vê. E daí tem que dizer a que veio. O líder não pode ficar em cima do muro. Tem que escolher um lado e pular.”

4. Tenha visão e comprometa-se: em uma coisa os especialistas são unânimes. Lincoln é considerado um líder visionário e comprometido. Para Eliana Dutra, diretora executiva da Pro-Fit Coaching, ele tinha a capacidade de criar uma visão inspiradora e de explicar suas decisões com base racional, cobrindo tudo com um molho de humanidade. “Um líder paupável, mais próximo ao interlocutor.” Na opinião de Homero Reis, Lincoln era capaz de estar comprometido com as questões de seu tempo, sabia cultivar sua rede de relacionamento e tinha bom humor. “Dentro das organizações, esses são os líderes mais valiosos.”

5. Delegue: ele deixa espaço para sua equipe ir a campo. Mostra confiança, oferece segurança, monitora e intercede se necessário. O acordo com os democratas é todo feito pelo secretário de Estado e sua equipe.

6. Oriente. Sempre: além de delegar, o ex-presidente se reúne frequentemente com os liderados para averiguar resultados alcançados e mostrar o caminho para atingir a meta.

7. Compartilhe o poder: Lincoln incentivava sua equipe a assumir responsabilidades, gerando maturidade profissional. “Isso dá segurança e capacidade de resolução de problemas, mesmo diante de situações críticas”, diz Van.

8. Recheie seu discurso com empatia: grande parte do poder de oratória de Lincoln está no fato de ele conseguir mapear o interlocutor e, por meio de suas histórias, criar um link emocional (ou racional) com ele. Um bom exemplo é a cena em que Lincoln conversa com um operador de telégrafo. Primeiro ele pergunta sua profissão. Ao saber que o personagem havia se formado em engenharia, cita uma teoria de Euclides para falar sobre igualdade.

9. Foque na solução: todas as probabilidades estavam contra Lincoln. O ex-presidente não tinha o apoio do Congresso para a aprovação da emenda abolicionista, a guerra (seu maior argumento para acabar com a escravidão) estava para acabar e a maioria da população norte americana não queria o fim da escravatura. Em vez de se sentir paralisado pelas dificuldades, o ex-presidente gastava sua energia encontrando soluções para cada uma dessas questões.

10. Cuide do seu equilíbrio emocional: apesar se ser um líder querido, Lincoln foi questionado por muitos de seus liderados. A primeira reação de qualquer ser humano frente a uma crítica é sentir raiva. “Quando você tem uma visão muito firme, o primeiro impulso é querer impor. ‘Como assim vocês não estão enxergando?’ Ele percebe que se não entrasse no mundo das pessoas e entendesse como elas pensavam, não conseguiria adesão. As pessoas pecam na falta desse equilíbrio emocional”, diz Van.

11. Vença sua batalha interna: administrar os republicanos, conquistar o voto dos democratas, convencer seus liderados sobre seus ideais e ainda lidar com os dramas familiares, definitivamente, não é para os fracos. Todo líder passa por esse dilema. Os bons líderes conseguem gerenciar todas essas questões ao mesmo tempo, sem cair na insegurança – o que acaba levando a decisões equivocadas.

12. Tenha a coragem de mudar de ideia: em uma cena, Lincoln mostra seu único momento de hesitação. Ele está prestes a ceder e terminar a guerra, mesmo sem a aprovação da emenda abolicionista. Chega a ditar a mensagem ao operador de telégrafo, mas muda de ideia. “O ser humano que não tem dúvidas está se enganando. Não justifico o líder que senta em cima das decisões e nunca define nada. Mas aquela coisa rígida de ‘eu tenho sempre razão’ é ruim e não é crível”, diz Eliana. Por mais que o líder acredite em algo, aquele é só um lado da verdade.

13. Não seja ingênuo: mesmo o mais querido líder das corporações nunca será uma unanimidade. Mas, no fim do dia, ele precisa ter mais seguidores que inimigos. Para tanto, use e abuse da diplomacia. “Há sempre o risco da demissão ou de ser colocado de lado. É um jogo, no qual é preciso medir as consequências. Os inimigos que não vão gostar do resultado são maiores ou menores que os beneficiados?”, questiona Van. Reis completa: “todos nós temos pessoas que jogam contra. Todos nós temos pessoas que nos seguem. É preciso conviver com isso com sabedoria.” Já para Eliana, ter mais seguidores que inimigos é fundamental para a sobrevivência do executivo. “O líder que não tem seguidores é só um sujeito dando um passeio.”

The 13 leadership lessons from Lincoln film

“Often it takes more courage to dare to do right than to fear to do wrong ”

Abraham Lincoln

“No one is competent enough to govern another without his consent ”

Abraham Lincoln

“Nearly all men can stand adversity, but if you want proof of a man’s character, give him power ”

Abraham Lincoln

“You may fool all the people for some time, you can even fool some people all the time, but you will not always possible to fool everybody ”

Abraham Lincoln

“Experts analyze the profile of one of the most beloved former presidents of the United States.

On the one hand, buying votes, the breach of trust with team members and do not respect the rules. On the other, the vision, inspirational leadership, diplomacy, emotional control, focus on the solution and the ability to change your mind.

Probably one of the greatest strengths of the film Lincoln by Steven Spielberg, which shows the former American president who managed to abolish slavery and end the Civil War in the U.S., is to show a human leader, with successes and failures, doubts and certainties .

Played by Daniel Day-Lewis, Lincoln for Spielberg and British actor puts his ideals and vision above all (and often all), winning support for the gift of oratory and reaches finally, results and goals. Any resemblance to the corporate world is not coincidental.

1. Never, ever lie to your team: an almost fatal error of Lincoln in the film is that it omits the Secretary of State had made an agreement with the leader of the Republicans to approve the abolition of slavery. “He has undermined the confidence of the principal officer. Should have shared and explained why the decision. In the corporate world is so difficult to establish strong alliances, it is best to always preserve them, “said Van Marchetti, director of Attitude Plan. Homer Reis, managing partner of Homer Kings and Consultants agrees and explains the danger of falling confidence. “The leader is grounded in the process of confidence building. If he called the secretary and presented the decision as a strategy, it would be better. “How to deal with similar cases? “Flame and combines before the game,” he says.

2. Respect the rules: in the film, Lincoln resists giving money to the Democratic Congress, but to accept jobs for which they vote in favor of the amendment abolitionist. A president (and former president) can even survive a scandal like this. But such an attitude can mean the death of a company.

3. Be careful not to become a dictator: a symbol of newfound democracy in the U.S., Lincoln gets to be appointed as a dictator by insisting on the struggle for abolition, while postponing the end of the war, which implies a higher number of civilian deaths. Kings compares Lincoln with the character of the Myth of the Cave, Plato. In the parable, the men live in a cave and only know the world of shadows. One of chained flees, sees things as they are and return to tell, but is killed by his comrades. “Every person who stands out in society has to make a choice. Usually he chooses something that nobody sees. And then they have to tell you came. The leader can´t stay on the fence. You must pick a side and jump. ”

4. Have vision and commit yourself: one thing the experts are unanimous. Lincoln is considered a visionary and committed leader. To Eliana Dutra, CEO of Pro-Fit Coaching, he had the ability to create an inspiring vision and explain their decisions based on rational, covering everything with a sauce of humanity. “A leader near, closest to the caller.” In the opinion of Homer Reis, Lincoln was able to be committed to the issues of his time, knew cultivate your network of relationships and had good humor. “Within organizations, these leaders are the most valuable.”

5. Delegate: it leaves space for his team going into the field. Shows confidence, offers safety, monitors and intercede if necessary. The agreement with Democrats is all done by the Secretary of State and his team.

6. East. Where: besides delegate, former President meets frequently with the led to verify results and show the way to achieve the goal.

7. Share power: Lincoln encouraged his team to take responsibility, creating professional maturity. “It gives security and ability to solve problems, even before critical situations,” says Van.

8. Fill your speech with empathy: much of the power of oratory of Lincoln is the fact he can map the caller and, through their stories, creating an emotional link (or rational) with him. A good example is the scene where Lincoln conversation with a telegraph operator. First he asks his profession. Upon learning that the character had graduated in engineering, cites a theory of Euclid to talk about equality.

9. Focus on the solution: the odds were against Lincoln. The former president did not have the support of Congress to approve the amendment abolitionist, war (his biggest argument for ending slavery) was about to end and most of the U.S. population did not want the end of slavery. Rather than feel paralyzed by the difficulties, the former president spent his energy finding solutions to each of these questions.

10. Take care of your emotional balance: despite being a beloved leader, Lincoln was asked by many of his followers. The first reaction of any human being is facing a critical angry. “When you have a very firm view, the first impulse is to want to impose. ‘How come you’re not seeing?’ He realizes that if they do not enter the world of people and understand how they thought, could not membership. People sin in lack of emotional balance, “says Van.

11. Win your internal battle: administer the Republicans, the Democrats win the vote, convince their followers about their ideals and still dealing with family dramas, definitely not for the weak. Every leader goes through this dilemma. Good leaders are able to manage all these issues at once, without falling into insecurity – which eventually leads to wrong decisions.

12. Have the courage to change your mind: in one scene, Lincoln shows his only moment of hesitation. He is about to give in and end the war, even without the approval of the amendment abolitionist. Enough to dictate the message to the telegraph operator, but changes his mind. “The human being who has no doubts is fooling themselves. I do not justify the leader sitting on top of decisions and never define anything. But the thing rigid ‘I’m always right’ is bad and is not credible, “says Eliana. As much as the leader believes in something, that is only one side of the truth.

13. Do not be naive: even the dear leader of corporations will never be a unanimous vote. But at the end of the day, it needs to have more followers than enemies. To do so, use and abuse of diplomacy. “There is always the risk of being fired or laid aside. It is a game in which you need to measure the consequences. The enemies are not going to like the results are higher or lower than the benefit? “Asks Van. Reis adds, “we all have people who play against. We all have people who follow us. You have to live with it wisely. “Have to Eliana, have more followers than enemies is critical to the survival of the executive. “The leader who has no followers is just a guy taking a walk.”

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: