PrimeWork (Ano VII)

Liderança, Atitude, Desafios, Ações e Conquistas para o Empreendedor Moderno

  • About

    O Mundo todo celebra uma grande capacidade humana de empreender.

    Do mesmo modo que é vibrante, a estrada do empreendedor é repleta de obstáculos. Quer para abrir ou fazer crescer um negócio próprio, quer para avançar propositivamente dentro de uma corporação.

    Nesse sentido este blog busca preencher com informações, entrevistas e cases de sucesso pessoal e corporativo as muitas lacunas que se abrem quando surge o tema da iniciativa pessoal dos negócios.

    Esperamos que este blog, possa de alguma forma contribuir para o crescimento dos empreendedores.

    Haroldo Wittitz, Editor and Publisher

    The whole world celebrates a great human capacity to undertake.

    Similarly that is vibrant, the way to entrepreneurship is fraught with obstacles. Want to open or grow a business, want to move forward with proposals within a corporation.

    In this sense seeks to fill this blog with information, interviews and success stories of the many personal and corporate loopholes that open when the subject arises from the personal initiative of business.

    We hope this blog, can somehow contribute to the growth of entrepreneurs.

  • Enter your email address to follow this blog and receive notifications of new posts by email.

  • Tópicos recentes

  • Agenda

    maio 2012
    D S T Q Q S S
    « abr   jun »
     12345
    6789101112
    13141516171819
    20212223242526
    2728293031  

Ideias Mortas, que precisamos sepultar, sobre “Pessoas, Carreiras e Força de trabalho”

Posted by HWBlog em 24/05/2012

• “O empregador é a empresa, o chefe, o patrão”.

Esta forma de pensar leva ao uso da terminologia “empregado” e de “funcionário” para se referir a quem trabalha numa empresa. E os líderes a fazerem “gestão por cargos”. Melhor pensar que o verdadeiro empregador é o cliente. Isso facilitaria a tão sonhada prática da Meritocracia, que não conseguimos implantar porque insistimos em tratar todos de forma igual. Melhor seria tratar pessoas diferentes de formas diferentes. Os jovens talentos não tolerarão ser tratados de forma igual, sem o respeito requerido à sua individualidade.  No futuro os clientes terão voz crescente na promoção e remuneração de pessoas.

• “Plano de Carreira é responsabilidade da empresa”.

Em primeiro lugar, algumas carreiras tradicionais já nem existem mais e outras tantas estarão fadadas a desaparecer. Em segundo lugar, o “plano” de carreiras foi adequado a uma era em que o mundo corporativo se movia lentamente e as pessoas almejavam passar toda a sua vida profissional dentro da mesma empresa. Dizia-se: “trabalhe cada vez mais que um dia você chega lá”. Isso funcionaria se “o lá” estivesse no mesmo lugar que se imaginava. Não é mais o caso. Os jovens estão rejeitando esse discurso porque esse “lá” certamente não estará no mesmo lugar. Melhor pensar que a responsabilidade pela “carreira profissional” – se é que ainda assim podemos chamá-la – não pode mais ser delegada à empresa e deve ser tarefa pessoal e intransferível de cada profissional.

• ”Patrimônio Humano é sinônimo de quadro de funcionários da empresa”.

Essa crença está na raiz da “Miopia do RH”, que restringe bastante o campo de atuação dos profissionais dessa área por limitá-la ao papel tradicional de recrutamento, seleção e treinamento dos funcionários da empresa.  Melhor pensar que o Patrimônio Humano também está do “lado de fora”, na relação da empresa com distribuidores, fornecedores, parceiros e comunidades.

• “Profissional competente é o expert”.

A Era dos especialistas está chegando ao fim. Melhor pensar que o profissional de sucesso, desejado pelo mercado, será Multicompetente.

• “Aposentar os que completam 65 anos de idade”.

Essa regra de ouro concebida na Era Industrial foi adequada na época em que se vivia, em média, 20 anos a menos do que hoje e em que a força física era importante para a execução da maioria das atividades nas empresas. As empresas estão desperdiçando parte do Capital Humano e do Conhecimento simplesmente para cumprir um conceito absurdamente fora do contexto atual. Sabedoria não se aposenta!

Quais outras “ideias mortas” sobre Pessoas, Carreiras e Força de Trabalho precisam ser sepultadas em prol do NeoManagement? E na sua empresa?

César Souza: Author

Haroldo Wittitz: Editor and Publisher

Dead ideas, we need to bury, on “People, Careers and Work Force”

• “The employer is a company, the boss, the boss.”

This way of thinking leads to the use of the term “employee” and “employee” to refer to anyone who works in a company. And the leaders to make “management for office.” Better think that the real employer is the customer. This would facilitate the long awaited practice of meritocracy, we can not deploy because we insist on treating everyone equally. Best would be to treat different people differently. Young talent will not tolerate being treated equally, without respect to their required individuality. In the future customers will have increasing voice in the promotion and remuneration of people.

• “Career Plan is the responsibility of the company.”

First, some traditional careers do not even exist anymore and many others are bound to disappear. Secondly, the “plan” was appropriate for careers in an era in which the corporate world was moving slowly and people longed to spend his professional life within the same company. They said, “work more and more that one day you get there.” This would work if “there” was in the same place as previously thought. It is no longer the case. Young people are rejecting this speech because it “there” certainly will not be in the same place. Better think that the responsibility for “career” – if we can still call it – can not be delegated to the company and must be personal and nontransferable task of each professional.

• “Human Heritage is synonymous with the staff of the company.”

This belief is at the root of “HR myopia,” which significantly limit the field for professionals in this area by limiting it to the traditional role of recruitment, selection and training of employees. Better think that the Human Assets is also the “outside” in the company’s relationship with distributors, suppliers, partners and communities.

• “Professional authority is the expert.”

The Age of experts is coming to an end. Better think that professional success, desired by the market, will Multicompetente.

• “Retire completing 65 years of age.”

This golden rule is designed in the Industrial Age was adequate at the time they lived on average 20 years less than today and that physical strength was important for the implementation of most activities in companies. Companies are wasting part of the Human Capital and Knowledge simply to fulfill a concept absurdly out of context today. Wisdom does not retire!

What other “dead ideas” about People, Careers and Work Force need to be buried in favor of NeoManagement? And in your company?

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: