PrimeWork (Ano IX)

Liderança, Atitude, Desafios, Ações e Conquistas para o Empreendedor Moderno

  • About

    O Mundo todo celebra uma grande capacidade humana de empreender.

    Do mesmo modo que é vibrante, a estrada do empreendedor é repleta de obstáculos. Quer para abrir ou fazer crescer um negócio próprio, quer para avançar propositivamente dentro de uma corporação.

    Nesse sentido este blog busca preencher com informações, entrevistas e cases de sucesso pessoal e corporativo as muitas lacunas que se abrem quando surge o tema da iniciativa pessoal dos negócios.

    Esperamos que este blog, possa de alguma forma contribuir para o crescimento dos empreendedores.

    Haroldo Wittitz, Editor and Publisher

    The whole world celebrates a great human capacity to undertake.

    Similarly that is vibrant, the way to entrepreneurship is fraught with obstacles. Want to open or grow a business, want to move forward with proposals within a corporation.

    In this sense seeks to fill this blog with information, interviews and success stories of the many personal and corporate loopholes that open when the subject arises from the personal initiative of business.

    We hope this blog, can somehow contribute to the growth of entrepreneurs.

  • Enter your email address to follow this blog and receive notifications of new posts by email.

  • Posts recentes

  • Agenda

    abril 2012
    D S T Q Q S S
    1234567
    891011121314
    15161718192021
    22232425262728
    2930  

Anonymous: ativistas em fúria

Posted by HWBlog em 26/04/2012

Desde 2008, o grupo Anonymous é associado ao hacktivismo colaborativo internacional, realizando protestos e ações para promover a Internet livre, não regulamentada, a ausência de hierarquia e o anonimato. É um movimento pós-moderno e descentralizado cujo território é composto por endereços virtuais e que realiza, à sua maneira, o desejo inconfesso de muitos cidadãos: abrir a cortina de sociedades que só protegem interesses do poder.

Este movimento também conta com pessoas sem competência técnica que o fazem crescer. De acordo com Gregg Housh, basta que o indivíduo envie um e-mail anônimo, escrito: “eu consinto que usem meu computador” e alguém do grupo se conecta ao computador dele, liga-o ao de outros que também consentiram, e usa esta força coletiva para protestos e ataques de negação de serviço (DDoS). Além disso, mesmo sem consentimento, essas redes zumbis podem ser criadas quando usuários acessam links com códigos maliciosos. A partir daí, o grupo passa a controlar remotamente essas máquinas.

O Anonymous funciona da mesma forma que um bando de pássaros migrantes, que viaja na mesma direção e com o mesmo objetivo. Quem já assistiu “os Pássaros” de Hitchcock, tem noção do terrorismo que tais grupos de pássaros (ou de ativistas) furiosos podem deflagrar, ao atacar em número cada vez maior e com mais violência.

Então, como garantir a segurança virtual da empresa e evitar possíveis ataques? É possível tomar certas precauções para minimizar ou conter tais invasões, que podem ser bem sucedidas e causar danos.

O que temos visto nas ações do Anonymous são grandes ataques DDoS, com o objetivo de tirar do ar, por sobrecarga, os sites alvo. Neste cenário, que prevê iminente evolução de ataques, a área de TI das empresas brasileiras deve mostrar à alta administração, a necessidade de investimentos em segurança da informação e quais benefícios estes podem oferecer.

Contudo, vale lembrar que a segurança procura reduzir os riscos a níveis toleráveis, não sendo possível eliminá-los completamente.  As lições que ficam para o mercado brasileiro, neste caso, são simples. Em parceria com as principais operadoras de Telecom, deve-se monitorar de perto o tráfego de dados e ativar soluções de segurança como “black holes”, para filtrar os ataques em suas principais origens. Esses ataques são distribuídos, mas sempre há origens de tráfego mais intenso, que pode ser filtrado na operadora, minimizando o impacto da invasão.

Em segundo lugar, as instituições devem optar por sistemas de prevenção de intrusos (IPS) de grande capacidade, de modo a conseguir mapear, na entrada de suas redes, o máximo possível de acesso indesejado. Feito isso, por fim, deve-se ativar o máximo da capacidade de servidores extras, de modo a prevenir eventuais sobrecargas provocadas pelos ataques DDOS.

Por sua capacidade e inovadora forma de atuar, nem mesmo o melhor aparato do mundo poderia manter um site ou serviço completamente seguro e livre de ataques do grupo Anonymous. O Brasil ao se tornar a sexta maior economia mundial, pode voltar a ser alvo do movimento. E embora a lembrança de ataques imaginários de pássaros em fúria, como os de Hitchcock – associada a ataques bem reais de ativistas em fúria, como os do Anonymous – possa nos tirar o sono, o aprendizado do mercado, oriundo da experiência de ataques vivenciada no país, já é um começo.

Paulo Sergio Pagliusi: Author

Haroldo Wittitz: Editor and Publisher

Anonymous: activists on the rampage
Since 2008, the group Anonymous is associated with international collaborative hacktivism, conducting protests and actions to promote the Internet free, unregulated, lack of hierarchy and anonymity. It is a postmodern movement and decentralized whose territory consists of virtual addresses and performs in its own way, the unspoken desire of many citizens, open the curtain of companies that only protect the interests of power.
This movement also includes people without technical skills that make you grow. According to Gregg Housh, just that the individual send anonymous e-mail, writing: “I consent to use my computer” and someone in the group connects to his computer, connects it to others who also consented, and uses this collective strength to protest and denial of service (DDoS). Moreover, even without consent, these botnets can be created when users access links to malicious code. From there, the group starts to remotely control these machines.
The Anonymous works the same way as a flock of migratory birds, traveling in the same direction and with the same goal. Anyone who has watched “The Birds” Hitchcock’s notion of terrorism is that these groups of birds (or activists) may trigger angry at the attack in increasing numbers and with more violence.
So, how to secure virtual company and avoid possible attacks? You can take certain precautions to minimize or contain these invasions, which can be successful and cause damage.
What we have seen in the actions of Anonymous DDoS attacks are large, in order to draw in air, by overloading the target sites. In this scenario, which predicts the evolution of imminent attacks, the IT department of the Brazilian companies must demonstrate to senior management, the need for investment in information security and what benefits they can offer.
However, remember that seeks to reduce security risks to acceptable levels, it is not possible to eliminate them completely. The lessons are for the Brazilian market, in this case are simple. In partnership with leading telecom operators, should closely monitor data traffic and enable security solutions such as “black holes”, to filter out attacks on its origins. These attacks are distributed, but there are always sources of increased traffic, which can be filtered in the operator, minimizing the impact of the invasion.
Second, institutions should opt for intrusion prevention systems (IPS) large capacity, so as to be able to map at the entrance of their networks, as much as possible from unwanted access. This done, finally, due to enable maximum capacity extra servers in order to prevent any overload caused by DDOS.
Because of its ability and innovative way of acting, even the best apparatus in the world could keep a site or service completely safe and free from attacks of the group Anonymous. The Brazil to become the sixth largest economy, may again become the target of the movement. And although the memory of imaginary attacks of birds in a rage, like Hitchcock – linked to very real attacks from activists on the rampage, as the Anonymous – can get us out of sleep, learning the market, arising from the experience of attacks experienced in country, it’s a start.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: