PrimeWork (Ano VIII)

Liderança, Atitude, Desafios, Ações e Conquistas para o Empreendedor Moderno

  • About

    O Mundo todo celebra uma grande capacidade humana de empreender.

    Do mesmo modo que é vibrante, a estrada do empreendedor é repleta de obstáculos. Quer para abrir ou fazer crescer um negócio próprio, quer para avançar propositivamente dentro de uma corporação.

    Nesse sentido este blog busca preencher com informações, entrevistas e cases de sucesso pessoal e corporativo as muitas lacunas que se abrem quando surge o tema da iniciativa pessoal dos negócios.

    Esperamos que este blog, possa de alguma forma contribuir para o crescimento dos empreendedores.

    Haroldo Wittitz, Editor and Publisher

    The whole world celebrates a great human capacity to undertake.

    Similarly that is vibrant, the way to entrepreneurship is fraught with obstacles. Want to open or grow a business, want to move forward with proposals within a corporation.

    In this sense seeks to fill this blog with information, interviews and success stories of the many personal and corporate loopholes that open when the subject arises from the personal initiative of business.

    We hope this blog, can somehow contribute to the growth of entrepreneurs.

  • Enter your email address to follow this blog and receive notifications of new posts by email.

  • Tópicos recentes

  • Agenda

    abril 2012
    D S T Q Q S S
    « mar   maio »
    1234567
    891011121314
    15161718192021
    22232425262728
    2930  

Archive for 11 de abril de 2012

Novas fronteiras trazem oportunidades de crescimento

Posted by HWBlog em 11/04/2012

Empresas que operam fora dos seus mercados domésticos alcançam resultados financeiros melhores, do que aquelas que se limitam ao seu próprio país, segundo pesquisa da Regus.

No cenário atual de instabilidade da economia na Europa, esse é um prêmio digno dos esforços de quem vai atrás de novos clientes. E por que mais empresas não procuram trabalhar com exportações?

A pesquisa sugere que os riscos associados ao estabelecimento da  presença no estrangeiro e contratação de pessoal para essa operação desestimulam muitas companhias. Como então superar esses obstáculos?

1) Muitos problemas não são tão grandes quanto parecem. Um relatório da BDO International indica que, de modo geral, as empresas agem rapidamente quando decidem abrir uma filial no exterior. Mais de três quartos das empresas participantes da pesquisa  abriram o  escritório em até dois anos, após tomarem a decisão de operar no exterior.

2) Existem  opções para reduzir os riscos  de abrir um escritório no exterior. Praticamente dois terços das 12 mil empresas entrevistadas em todo o mundo pela Regus declararam que seus compromissos com  contratos de locação de imóveis em mercados externos tinham que ser no curto prazo, porque não sabiam em que velocidade elas cresceriam. Com as opções de locais flexíveis de trabalho disponíveis em diversos países, as empresas não precisam ter receio, seja incorrendo com custos que não podem arcar, porque o crescimento está abaixo do esperado ou por não poderem atender a uma crescente demanda.

3) A flexibilidade também é crucial para formar a equipe. Conforme apontado pela pesquisa da Regus, as opiniões se dividem entre aqueles que acreditam que a gerência sênior deve vir do país de origem da empresa e quem acha que deve vir do mercado local no qual a companhia está se instalando.  Há também divergências quando o assunto é se as empresas com operações no exterior precisam empregar profissionais que falam o idioma local. O relatório sugere que isso depende do tipo de relação que a organização terá com seus clientes no novo mercado. Muitas empresas expandem os seus negócios no estrangeiro por meio de intermediários, distribuidores e revendedores. Nesse caso é provável que essas empresas mantenham equipes para negociar acordos, gerenciar e dar suporte aos canais de distribuição. Mas também podem entender que a fluência no idioma local, e a inclusão de gerentes seniores desse país e a familiarização com os aspectos culturais da região sejam menos importantes, ao contrário das empresas que lidam diretamente com seus clientes locais.

4) Graças à tecnologia, o mundo está cada vez mais próximo. Por isso, muitos varejistas usam a Internet para testes em mercados no exterior. A maioria dos produtos e serviços pode ter versões no idioma dos países ao qual se destinam.

5) Os números propiciam diretrizes para auxiliar nas decisões. Empresas de vários países estão fazendo negócios além das suas fronteiras, e como a experiência tem sido compensadora, pretendem investir cada vez mais nesse tipo de operação. A pesquisa da Regus aponta que as empresas que já atuam no mercado externo têm duas vezes mais chances de ampliar essa atuação, do que as companhias que ainda não descobriram as exportações e não tem planos de expansão para outros mercados  nos próximos anos.

As empresas que decidem operar no estrangeiro mostram sinais de que estão melhorando os seus resultados. Em âmbito mundial, governos, economistas e demais especialistas parecem concordar que as exportações são imprescindíveis para o crescimento do PIB dos países e também são positivas para a estabilidade da economia global. Com as dificuldades de expansão no mercado interno, a exportação é uma oportunidade cada vez mais atraente.

Roger Trapp: Author

Haroldo Wittitz: Editor and Publisher

New Frontiers provide opportunities growth
Companies operating outside their home markets achieve better financial results than those confined to their own country, according to research by Regus. In the current climate of economic instability in Europe, this is a prize worthy of the efforts of those who go after new customers. And why do not more companies seek to work with exports? Research suggests that the risks associated with establishing the presence abroad and hiring staff for this operation discourage many companies. How then to overcome these obstacles?
1. Many problems are not as great as they seem. A report of BDO International indicates that, in general, companies act quickly when they decided to open a branch abroad. More than three quarters of the companies participating in the research office opened within two years after making the decision to operate abroad.
2. There are options to reduce the risks of opening an office abroad. Almost two thirds of the 12,000 companies surveyed worldwide by Regus stated that their commitments to leases of property in foreign markets had to be in the short term because they did not know how fast they grow. With options for flexible work locations available in many countries, companies need not be afraid, be incurring costs that can not afford, because growth is lower than expected or can not meet a growing demand.
3. Flexibility is also crucial to form the team. As pointed out by research from Regus, opinions are divided between those who believe that senior management must come from the country of origin of the company and who think must come from the local market where the company is installing. There are also differences when it comes to companies with overseas operations need to employ professionals who speak the local language. The report suggests that it depends on the type of relationship that the organization has with its customers in the new market. Many companies expand their businesses abroad through intermediaries, distributors and resellers. In this case it is likely that these companies maintain teams to negotiate, manage and support to distribution channels. But they can also understand that fluency in the local language, and the inclusion of senior managers of that country and familiarity with the cultural aspects of the region are less important, unlike the companies that deal directly with their local customers.
4. Thanks to technology, the world is getting closer. So many retailers use the Internet for testing in overseas markets. Most products and services may be the language versions of the countries to which they are intended.
5. The numbers provide guidelines to assist in decisions. Companies from various countries are doing business across borders, and how the experience has been rewarding, to invest more in this type of operation. The Regus research shows that companies that already operate in foreign markets are twice as likely to expand this operation, the companies that have not yet discovered exports and has no plans to expand to other markets in the coming years.
Companies that decide to operate abroad show signs that they are improving their results. Worldwide, governments, economists and other experts seem to agree that exports are essential to the growth of GDP of countries and are also positive for the stability of the global economy. With the difficulties of expanding the domestic market, exports are an increasingly attractive opportunity.

Anúncios

Posted in Artigos | Leave a Comment »