PrimeWork (Ano IX)

Liderança, Atitude, Desafios, Ações e Conquistas para o Empreendedor Moderno

  • About

    O Mundo todo celebra uma grande capacidade humana de empreender.

    Do mesmo modo que é vibrante, a estrada do empreendedor é repleta de obstáculos. Quer para abrir ou fazer crescer um negócio próprio, quer para avançar propositivamente dentro de uma corporação.

    Nesse sentido este blog busca preencher com informações, entrevistas e cases de sucesso pessoal e corporativo as muitas lacunas que se abrem quando surge o tema da iniciativa pessoal dos negócios.

    Esperamos que este blog, possa de alguma forma contribuir para o crescimento dos empreendedores.

    Haroldo Wittitz, Editor and Publisher

    The whole world celebrates a great human capacity to undertake.

    Similarly that is vibrant, the way to entrepreneurship is fraught with obstacles. Want to open or grow a business, want to move forward with proposals within a corporation.

    In this sense seeks to fill this blog with information, interviews and success stories of the many personal and corporate loopholes that open when the subject arises from the personal initiative of business.

    We hope this blog, can somehow contribute to the growth of entrepreneurs.

  • Enter your email address to follow this blog and receive notifications of new posts by email.

  • Posts recentes

  • Agenda

    abril 2012
    D S T Q Q S S
    1234567
    891011121314
    15161718192021
    22232425262728
    2930  

Archive for 10 de abril de 2012

Monitorar o planejamento para eliminar surpresas

Posted by HWBlog em 10/04/2012

As surpresas nos negócios são inevitáveis. Elas não escolhem hora para acontecer e geralmente pegam as empresas desprevenidas e nem sempre os gestores conseguem lidar com a nova situação de uma forma adequada. Na verdade, ninguém deseja que as suas metas não sejam atingidas ao chegar o último dia de cada mês.

Mas, se as surpresas acontecem, como podemos nos preparar para elas?

Dependendo da característica de cada negócio, a resposta pode variar significativamente. O que devemos ter sempre em mente é que o planejamento pode sofrer alterações e ajustes durante o tempo e que análises do tipo “e se”, são fundamentais. Nem sempre o que foi planejado será possível de ser realizado. Outro tipo de situação – que o mercado costuma definir como “bom problema”, é a equipe de vendas conquistar novos clientes em determinado período quando a produção não está preparada para atender demandas elevadas.

Em todos os casos, o maior problema das surpresas é a empresa não possuir os recursos necessários para enfrentá-las. Mesmo as boas surpresas podem acarretar sérios problemas para a companhia. Este tipo de ocorrência é notado em vários mercados e, mais recentemente, em negócios mantidos pela Internet, onde o anúncio de um produto ou serviço pode registrar procura além do previsto.

Se a empresa quer estar preparada para as possíveis surpresas desagradáveis, o melhor a fazer é reunir todas as informações possíveis sobre o público alvo, possíveis oscilações de mercado, variantes diversas que podem influenciar o planejamento e simular a combinação de algumas possíveis variantes em cenários para o planejamento da tomada de decisão no momento certo. Mas, como organizar estas informações? Como criar possíveis cenários e suas variantes? A resposta pode estar no uso de ferramentas avançadas de planejamento, tradicionalmente conhecidas como ferramentas de CPM – Corporate Performance Management. Com a evolução dos negócios, a indústria de tecnologia já oferece várias opções aos gestores de planos orçamentários. O segredo está em como avaliar qual delas é a mais adequada ao seu negócio.

Mesmo com os modelos de negócios sofisticados, as metodologias de planejamento e previsões se mantêm por décadas. A variante está na capacidade da ferramenta em permitir aos gestores dar respostas rápidas e imediatas às surpresas do dia-a-dia corporativo. Então, podemos afirmar que o gerenciamento do desempenho dos negócios é a chave do sucesso do planejamento e, consequentemente, da companhia. A cada nova condição que devemos incluir em nosso planejamento, a ferramenta tecnológica deve oferecer de forma simples e ágil condições para adequação da lógica da ferramenta para a continuidade do planejamento futuro, sem a dependência de pessoal especializado em tecnologia, seja interna ou de consultores externos.

As ferramentas de Corporate Performance Management (CPM) possibilitam o planejamento de ações futuras baseado na criação de cenários com a simulação da combinação de possíveis variantes para as analises “e se”. Com o advento da “computação na nuvem” a oferta deste tipo de ferramenta aumentou e os executivos brasileiros podem ter na ponta dos dedos – ou de um clique – o acesso aos dados de uma campanha de vendas, de um cliente, um demonstrativo de resultados, de forma extremamente ágil e a um custo muito baixo.

Evitar surpresas é o que se consegue através de uma ferramenta de CPM. Para isso, é necessário ter em mente que as variantes dos negócios não avisam quando irão surgir. Cabe ao gestor estar atento às oscilações e estar preparado, com os recursos necessários para dar a resposta que a situação exige, através da criação de infinitos cenários com simulações de possíveis situações para o estudo da tomada de decisão para cada caso.

Você pode fazer tudo isso com base em planilhas eletrônicas, mas, certamente levará muito mais tempo e não terá a confiabilidade, mobilidade e a colaboração em tempo real necessárias que o seu negócio exige. O segredo e o conceito geral de hoje é a sua capacidade de automação. Com a “computação na nuvem”, ele ganha novos horizontes e os negócios agradecem.

Haroldo Wittitz: Author, Editor and Publisher

Monitor planning to eliminate surprises
Surprises in business are inevitable. They do not choose hours to happen and usually take unprepared companies and managers can not always handle the new situation in an appropriate manner. In fact, nobody wants their targets are not met upon arriving the last day of each month. But if surprises happen, how can we prepare for them? Depending on the characteristics of each business, the answer can vary significantly. What we must always bear in mind is that planning can change and adjustments over time and that analyzes of “what if” are key. Not always know what is planned will be possible to be performed. Another type of situation – that the market is often defined as “good problem” is the sales force winning new customers in a given period when production is not prepared to meet high demands. In all cases, the biggest problem of the surprises is the company does not have the resources to address them. Even good surprises can cause serious problems for the company. This type of occurrence is noted in several markets and, more recently, kept in business over the Internet, where the announcement of a product or service can register demand than anticipated. If the company wants to be prepared for possible surprises, the best thing to do is gather all possible information about the target audience, possible market fluctuations, several variants that can influence the design and simulate the combination of some possible scenarios for variants in planning decision making at the right time. But how to organize this information? How to create scenarios and variants? The answer may lie in the use of advanced planning tools traditionally known as CPM – Corporate Performance Management. With the evolution of business, industry technology already offers several options for managers of budget plans. The secret lies in how to evaluate which one is best suited to your business. Even with sophisticated business models, methodologies for planning and forecasting are maintained for decades. A variant is the ability of the tool to allow managers to respond quickly to surprises and immediate day-to-day enterprise. So we can say that the performance management business is the key to successful planning and hence the company. With each new condition that we include in our planning, technological tool should offer a simple and fast conditions to suit the logic of continuity tool for planning future without dependence on staff specializing in technology, whether internal or external consultants . Tools for Corporate Performance Management (CPM) enable the planning of future actions based on the creation of scenarios with the simulation of the combination of possible variants for the analysis “and”. With the advent of “cloud computing” to offer this type of tool has increased and Brazilian executives may have at your fingertips – or a click – access to data from a sales campaign, a client, an income statement , extremely agile and a very low cost. Avoid surprises is what is achieved through a tool CPM. For this, you must keep in mind that the variants do not notice when the business will emerge. Managers have the task to be attentive to changes and be prepared with the necessary resources to give the answer that the situation requires, by creating endless scenarios with simulations of possible scenarios for the study of decision making for each case. You can do all this based on spreadsheets, but it certainly will take much longer and will not have the reliability, mobility and real-time collaboration necessary that your business requires. The secret of today and the general concept is its automation capabilities. With “cloud computing”, he gains new horizons and businesses thank

Posted in Planejamento | Leave a Comment »

Como gerar inovação nas empresas

Posted by HWBlog em 10/04/2012

Open innovation é um modelo que as companhias estão adotando, cada vez mais, em resposta a um mundo crescentemente globalizado e caracterizado pela partilha aberta de informações, com o objetivo de produzir conhecimento. Esse modelo se baseia na colaboração em rede da empresa, com fornecedores, clientes, universidades e até concorrentes. A partir desse conceito, a inovação, antes uma área limitada aos departamentos internos de Pesquisa e Desenvolvimento, como era a lógica vigente até as décadas de 70 a 90, passou a ser buscada além das fronteiras das organizações.

Acredito que a interação seja a chave para esse processo se tornar real e mais do que isso: ela é a fonte para a inovação. Por isso, as redes sociais representam hoje a melhor plataforma de interação para as empresas interessadas em inovação aberta. O desafio que se impõe, entretanto, é criar tecnologias que gerenciem a troca de informações realizadas nessa mídia.

Os sistemas de CRM (Customer Relationship Management) têm sido usados amplamente com esse fim. Eles permitem que a troca de informações entre os colaboradores da empresa e o público-alvo possa ficar armazenada e servir como fonte de consulta, “alimentando” o CRM com os dados levantados. O sistema permite ainda fazer a gestão e a monitoração da comunicação para que haja o mínimo possível de “ruídos”. Mas a inovação aberta permite saltos ainda maiores, utilizando a base das redes sociais para acelerar o desenvolvimento de novos produtos ou serviços.

O exemplo da montadora italiana Fiat, cujo modelo Fiat Mio foi construído com ideias enviadas por milhares de pessoas ao redor do globo, por meio do portal http://www.fiatmio.cc, ilustra bem o que quero dizer. O projeto economizou milhões de reais em pesquisas com o consumidor, para a concepção de um novo carro. Durante nove meses, a Fiat recolheu sugestões de mais de 13 mil pessoas. A partir das informações enviadas pelos internautas em 160 países, a equipe de desenvolvimento da Fiat criou um protótipo totalmente adaptado às expectativas dos clientes. O carro foi lançado no Salão do Automóvel de 2010, com audiência de 750 mil pessoas e repercussão na mídia nacional e internacional.

Outra iniciativa de sucesso é a InnoCentive (www.innocentive.com), empresa desenvolvida inicialmente como um centro incubador de inovação para a indústria farmacêutica Lilly. Sendo uma entidade independente desde 2005, valendo-se do modelo de rede, ela funciona como um intermediário entre as empresas que buscam soluções e uma cadeia global de mais de 160 mil especialistas e “solucionadores de problemas” em 175 países, por todo o mundo. Os solucionadores recebem prêmios em dinheiro quando resolvem o desafio.

Temos ainda o caso da cafeteria Starbucks, que mantém o site My Starbucks Idea para coletar insights dos clientes. Através do site, qualquer um pode sugerir ideias, votar e discutir com outros consumidores as melhores propostas. No seu primeiro ano, o My Starbucks Idea recebeu 75 mil sugestões, além de milhares de votos e comentários. Um dos consumidores sugeriu criar, por exemplo, um “gelo de café”, ao invés de água, para que a bebida não ficasse aguada quando o gelo derretesse. A companhia considerou a ideia e foi um sucesso.

São exemplos de grandes empresas, mas a inovação aberta é perfeita também para as pequenas e médias, porque seu custo é consideravelmente mais baixo, quando comparado aos métodos tradicionais. Em vez de depender apenas das ideias e habilidades da equipe, as empresas podem ter acesso gratuito a ideias inovadoras.

O que parece estar claro é que as melhores soluções nem sempre estão dentro da empresa e, além disso, o produto desenvolvido com os dados coletados num ambiente de criação coletiva com o cliente, tem mais chance de ser aceito no mercado, pois foi sugerido pelos próprios consumidores.

Antes de tudo, para uma empresa se candidatar ao posto de inovadora, atualmente, ela precisa possuir uma cultura de rede, caracterizada, entre outras coisas, pelo alto grau de conexão entre todos os níveis dentro da organização, comprometimento da liderança com a rede, a partir de iniciativas que acompanhem de perto a cultura corporativa, uso de aplicativos da Web 2.0 e projetos de sites no estilo wiki. Tais elementos possibilitam à empresa estar mais bem preparada para receber os estímulos externos e facilitam a tomada rápida de decisões sobre as ideias inovadoras enviadas pelo mercado.

Para que o objetivo de gerar inovação seja atingido, algo que precisa ficar estabelecido desde o início desse processo é que recursos internos e externos precisam trabalhar em conjunto e estarem alinhados com a estratégia geral da organização. O conceito de Open innovation tem muito a ver com se estabelecer uma ponte entre os recursos alocados dentro das empresas e fora delas, para fazer com que a inovação de fato aconteça.

Sanjay Agarwal: Author

Haroldo Wittitz: Editor and Publisher

How to generate innovation in enterprises
Open innovation is a model that companies are adopting increasingly, in response to an increasingly globalized world, characterized by open sharing of information with the goal of producing knowledge. This model is based on collaboration in the enterprise network with suppliers, customers, universities and even competitors. From this concept, innovation, before an area limited to internal departments of Research and Development, as was the logic in force until the 70 to 90, came to be sought beyond the boundaries of organizations. I believe that the interaction is the key to this process and become more real than this: it is the source for innovation. Therefore, the social networks today represent the best interaction platform for companies interested in open innovation. The challenge imposed, however, is to create technologies that manage the exchange of information held in these media. CRM systems (Customer Relationship Management) have been used widely for this purpose. They allow the exchange of information between employees and the company’s target audience can be stored and serve as a source of consultation, “feeding” the CRM with the data collected. The system also allows you to manage and monitor the communication so that there is a minimum of “noise”. But open innovation allows jumps even higher, using the basis of social networks to accelerate the development of new products or services. The example of Italian automaker Fiat, Fiat Mio whose model was built with thousands of ideas submitted by people around the globe through the portal http://www.fiatmio.cc, illustrates what I mean. The project saved millions of dollars in research with the consumer, to design a new car. For nine months, Fiat has gathered suggestions from more than 13,000 people. From the information sent by Internet users in 160 countries, the development team created a prototype Fiat fully adapted to customer expectations. The car was launched at the Motor Show in 2010, with an audience of 750 thousand people and impact on national and international media. Another successful initiative is InnoCentive (www.innocentive.com), the company initially developed as a center of innovation incubator for Lilly pharmaceutical industry. As an independent entity since 2005, using the network model, it acts as an intermediary between companies seeking solutions and a global chain of more than 160,000 experts and “problem solvers” in 175 countries around the world . Solvers receive cash prizes when they solve the challenge. We still have the case of Starbucks, which maintains the site My Starbucks Idea to gather insights from customers. Through the site, anyone can suggest ideas, vote on and discuss with other consumers with the best proposals. In its first year, My Starbucks Idea has received 75,000 suggestions, and thousands of votes and comments. A consumer suggested to create, for example, an “ice coffee”, instead of water, the drink does not stay slurry when the ice melted. The company considered the idea and was a success. Examples of large companies, but open innovation is also perfect for small and medium-sized, because its cost is considerably lower when compared to traditional methods. Instead of relying on the ideas and skills of staff, companies can gain free access to innovative ideas. What seems clear is that the best solutions are not always within the company and, moreover, the product developed with data collected in an environment of collective creation with the customer is more likely to be accepted in the market, as was suggested by consumers themselves. First of all, for a company to apply for the post of innovative, currently, it must have a network culture, characterized, among other things, the high degree of connection between all levels within the organization, leadership commitment to the network, from initiatives to monitor closely the corporate culture, use of Web 2.0 applications and sites projects wiki-style. These elements enable the company to be better prepared to receive external stimuli and facilitate rapid decisions about the innovative ideas submitted by the market. For the purpose of generating innovation is achieved, something that needs to be established since the beginning of this process is that internal and external resources need to work together and are aligned with the overall strategy of the organization. The concept of open innovation has much to do with establishing a bridge between the resources allocated within companies and outside them, to make innovation actually happens.

Posted in Inovação | Leave a Comment »