PrimeWork (Ano IX)

Liderança, Atitude, Desafios, Ações e Conquistas para o Empreendedor Moderno

  • About

    O Mundo todo celebra uma grande capacidade humana de empreender.

    Do mesmo modo que é vibrante, a estrada do empreendedor é repleta de obstáculos. Quer para abrir ou fazer crescer um negócio próprio, quer para avançar propositivamente dentro de uma corporação.

    Nesse sentido este blog busca preencher com informações, entrevistas e cases de sucesso pessoal e corporativo as muitas lacunas que se abrem quando surge o tema da iniciativa pessoal dos negócios.

    Esperamos que este blog, possa de alguma forma contribuir para o crescimento dos empreendedores.

    Haroldo Wittitz, Editor and Publisher

    The whole world celebrates a great human capacity to undertake.

    Similarly that is vibrant, the way to entrepreneurship is fraught with obstacles. Want to open or grow a business, want to move forward with proposals within a corporation.

    In this sense seeks to fill this blog with information, interviews and success stories of the many personal and corporate loopholes that open when the subject arises from the personal initiative of business.

    We hope this blog, can somehow contribute to the growth of entrepreneurs.

  • Enter your email address to follow this blog and receive notifications of new posts by email.

  • Posts recentes

  • Agenda

    dezembro 2011
    D S T Q Q S S
     123
    45678910
    11121314151617
    18192021222324
    25262728293031

Archive for 27 de dezembro de 2011

Novas estratégias para novos comportamentos

Posted by HWBlog em 27/12/2011

Motivar equipes não é algo novo, tampouco reconhecer e premiar talentos. O que muda constantemente são as nossas reflexões sobre as gerações, os jovens que estamos motivando. Eles mudam tudo, representam novas linguagens, comportamentos e influenciam diretamente nossas empresas, e consequentemente, a idealização das campanhas de incentivo.

Se a nova geração “Y” ou “Millennials” já mudou a percepção das estratégias comerciais e de mercado, certamente elas foram afetadas, anteriormente, pelas gerações “X” e Baby Boomer.  Os primeiros a conquistarem o direito da juventude, inventado um novo jeito de viver, vestir e se apresentar foram os Baby Boomers, nascidos após a II Guerra Mundial, entre  as décadas de 40 e 50. Eles receberam as chaves da internacionalização das empresas e romperam as barreiras físicas. Deixaram nossos escritórios mais descontraídos e revolucionários. Por causa disso, influenciam ainda hoje as nossas decisões.

Já a geração dos nascidos entre os anos 60 e 70, chegou com os direitos conquistados e promoveram a liberdade de expressão influenciada pelo avanço do marketing e da publicidade. No meio corporativo, trouxeram a competitividade, o que libertou a criatividade que antes era permitida somente nas escolas. E essas transformações continuam refletindo na nossa forma de gerenciar pessoas, e por conseguinte, em como as motivamos e buscamos melhores resultados. De anos para cá, inúmeros fatores representaram mudanças na gestão, nas estruturas hierárquicas e, portanto, nas aspirações profissionais de cada indivíduo. O sentimento de desejo que cada um carrega também não é imune ao progresso. É esse desejo, único e individual, que nos interessa, que instiga escolhas e nos mobiliza a superar desafios.

Atualmente, falamos de equipes interligadas, a primeira juventude completamente globalizada por uma rede que ampliou e aproximou pessoas, lugares e companhias. É o acesso total. Não só o comportamento evoluiu, como as relações de negócio já não são as mesmas. Na era indústria, por exemplo, quem tinha o conhecimento, detinha o poder. Hoje, as administrações são participativas, o conhecimento é partilhado, multiplicado, e o poder segue a mesma relação.

Se hoje as mudanças do comportamento humano são orgânicas, são elas também que determinam o direcionamento das estratégias a serem adotadas nas campanhas de incentivo. Estamos falando de uma era, a mais pluralista da história comportamental, em que reconhecer as diferenças e as particularidades é um gesto natural. É orgânico, e nos permite mostrar que onde houver pessoas e objetivos a serem alcançados, uma campanha pode fazer a diferença. O que vai garantir o sucesso delas é o pragmatismo, o realismo e a proximidade da campanha com o Target.

A tendência para setor de incentivo é um aumento dessa conscientização que depende de capacitação, motivação e bem-estar das equipes, para que possam desenvolver o melhor de suas performances. Se sua empresa consegue entender esses movimentos e tomar parte disso, ela está no caminho certo. Do contrário, a conformidade puxará uma estagnação geral. No início, pode parecer duvidoso, mas no final as grandes perguntas desses jovens se tornarão nossas ações, que cada vez mais estão conscientes e sustentáveis em todos os sentidos. Mais do que nunca, para entender empresas e pessoas é preciso compreender o que as motivam, desde seus clientes, distribuidores, fornecedores e colaboradores, que são os catalizadores das próximas mudanças, dos resultados e da realização profissional.

Posted in Artigos | Leave a Comment »

Inovação em Storytelling

Posted by HWBlog em 27/12/2011

Discutir a relação das marcas com seus consumidores, como dialogar com públicos cada vez mais saturados de informação e fazer uso de diferentes mídias com base em um mesmo conceito publicitário. Esse é o objetivo do curso “Inovação em Storytelling – do branded content à transmídia” ministrado por Fernando Palacios, Bruno Scartozzoni e Martha Terenzzo, na ESPM, entre os dias 16 e 20 de janeiro.

No mundo empresarial surgem novos conceitos a todo o momento. Um deles seria o Storytelling, caso não houvesse um detalhe fundamental: contar histórias é uma das atividades mais remotas da humanidade. O que aparece como novidade não é o Storytelling em si, mas sua vertente corporativa.
 
No Brasil a aplicação do termo neste contexto foi introduzida inicialmente em 2007, por meio da monografia elaborada pelo especialista em Transmídia Storytelling, Fernando Palacios – “A contextualização criativa de histórias como fator de sucesso no planejamento de campanhas de comunicação.” O autor explica que o termo ainda causa confusão no mercado e que uma campanha Storytelling completa é composta por dois momentos: trabalhar os elementos e mensagens que compõem a história (story), seguido pela elaboração das obras narrativas (telling). 
 
Utilizado para alavancar vendas ou conquistar fãs nas redes sociais, cresce o número de empresas que fazem uso do Storytelling para se aproximar de seus consumidores. “Há casos de Diretores usando para motivar suas equipes. O Storytelling possui técnicas que permitem a abordagem de assuntos polêmicos e até tabus dentro de corporações. Desta forma pode ser vital na construção de campanhas de incentivo e até na reconstrução da força moral coletiva após crises”, afirma Palacios.
 
O interesse das empresas e agências em investir em Storytelling não acontece apenas pelo termo ter se tornado sinônimo de inovação, mas principalmente pela demanda dos consumidores. “O que falta é tempo para consumir tanto conteúdo e cada vez menos os consumidores vão se postar diante de algo que considerem desinteressantes. Nesse sentido, o Storytelling é o último reduto da atenção dedicada, já que todos param tudo para ler um livro e até mesmo desligam os celulares pouco antes de começar a sessão de cinema”, comenta Martha Terenzzo, Profissional multifacetada com experiência de mais de 25 anos na área de Marketing e Inovação.
 
Quando uma empresa tem a atenção dos consumidores voltada para o seu conteúdo, ela é capaz de planejar um projeto Transmídia Storytelling. O desafio é orquestrar diversas mídias em sincronia com diferentes partes da narrativa, tirando assim o maior proveito da história como um todo. “Com as inúmeras possibilidades de mídias que o consumidor tem à disposição, se torna cada vez mais difícil prender o telespectador em apenas uma delas. Os profissionais de comunicação encontraram no Transmídia Storytelling uma alternativa para atingir o público de forma mais adequada aos desafios dessa época”, finaliza Bruno Scartozzoni, Planner, escritor e especialista em Storytelling.
 
Serviço:
 
Inovação em Storytelling: do branded content à transmídia INTENSIVO
 
Data: de 16 a 20 de janeiro 
Horário: das 19h30 às 22h30 
Carga horária: 18 h/a
Preço: 3x R$264,00 ou R$ 792,00
 
Local: Rua Dr. Álvaro Alvim, 123 – Vila Mariana (São Paulo/SP)

Posted in Treinamento | Leave a Comment »

Comércio eletrônico fatura R$ 2,6 bilhões com natal

Posted by HWBlog em 27/12/2011

De acordo com a e-bit, empresa especializada em informações do comércio eletrônico, o natal de 2011 cumpriu o previsto e teve um crescimento nominal de 20% em relação ao ano anterior, enquanto as vendas em shoppings cresceram somente 5,5%, segundo dados da Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop).

Entre 15 de novembro e 24 de dezembro, o faturamento do e-commerce chegou a R$ 2,6 bilhões e o ticket médio ficou em R$ 347. O número de pedidos cresceu 27% em relação ao mesmo período de 2010, o que demonstra que os esforços dos lojistas para que problemas como os que ocorreram no Natal passado não voltassem a acontecer surtiram efeito.
 
No decorrer deste ano, as empresas investiram em logística, tecnologia, centros de distribuição e capacitação de profissionais. O resultado de todo esse trabalho foi a redução na taxa de atrasos, que caiu de 17% em 2010 para 13% esse ano.
 
A categoria mais vendida foi “Eletrodomésticos”. Em segundo lugar ficou “Saúde, Beleza e Medicamentos”, seguida por “Informática”, “Moda & Acessórios” e “Eletrônicos”.O grande volume de pedidos na categoria “Saúde, Beleza e Medicamentos” já é característico da data. Já “Moda & Acessórios” se consolidou de vez entre as mais vendidas, revelando a preferência dos consumidores em presentear parentes e amigos com vestuário. “Livros e Assinaturas & Revistas”, categoria tradicional do e-commerce, ficou de fora do top 5, ocupando o 6° lugar. “Brinquedos & Games” subiu uma posição em relação a 2010 e ficou na 8° posição do ranking.

“O natal de 2011 foi muito positivo para o comércio eletrônico no Brasil, principalmente pelo recuo de 4 pontos percentuais nos atrasos, o que demonstra que o setor está amadurecido e mais bem preparado”, afirma a diretora da e-bit, Cris Rother.

Posted in Rápidas | Leave a Comment »