PrimeWork (Ano IX)

Liderança, Atitude, Desafios, Ações e Conquistas para o Empreendedor Moderno

  • About

    O Mundo todo celebra uma grande capacidade humana de empreender.

    Do mesmo modo que é vibrante, a estrada do empreendedor é repleta de obstáculos. Quer para abrir ou fazer crescer um negócio próprio, quer para avançar propositivamente dentro de uma corporação.

    Nesse sentido este blog busca preencher com informações, entrevistas e cases de sucesso pessoal e corporativo as muitas lacunas que se abrem quando surge o tema da iniciativa pessoal dos negócios.

    Esperamos que este blog, possa de alguma forma contribuir para o crescimento dos empreendedores.

    Haroldo Wittitz, Editor and Publisher

    The whole world celebrates a great human capacity to undertake.

    Similarly that is vibrant, the way to entrepreneurship is fraught with obstacles. Want to open or grow a business, want to move forward with proposals within a corporation.

    In this sense seeks to fill this blog with information, interviews and success stories of the many personal and corporate loopholes that open when the subject arises from the personal initiative of business.

    We hope this blog, can somehow contribute to the growth of entrepreneurs.

  • Enter your email address to follow this blog and receive notifications of new posts by email.

  • Posts recentes

  • Agenda

    junho 2011
    D S T Q Q S S
     1234
    567891011
    12131415161718
    19202122232425
    2627282930  

Archive for 26 de junho de 2011

Por que o melhor para todos pode ser ruim para você?

Posted by HWBlog em 26/06/2011

Como argumentar contra as melhores práticas? Afinal, elas representam a conduta de negócios da maioria das empresas bem-sucedidas e, ao adotá-las, você pode compartilhar do mesmo sucesso. Se as melhores práticas parecem ser mais vantajosas do que as que você tem no momento, e são comprovadamente eficazes em seu setor, então porque não adotá-las?

Talvez você já tenha ouvido esse argumento de empresas de consultoria ou de fornecedores de software (a maioria dos pacotes de software empresariais é construída a partir de um modelo de melhores práticas). Em muitos aspectos, eles estão certos. Modificar ou substituir seus métodos existentes para torná-los o setor mais consistente faz todo sentido. No entanto, há um lado negativo das melhores práticas que pode prejudicar seu negócio tanto quanto pode beneficiar. Aqui está quatro considerações antes de você emabarcar nessa onda de olhos fechados.

1ª consideração: talvez não seja melhor pra você!

Esta consideração é exemplificada pelo velho ditado: “O que é bom pra um nem sempre é bom pro outro”. As empresas são únicas e elas se diferem, ou seja, as melhores práticas são imperfeitamente móveis. Podem funcionar incrivelmente em um ambiente, mas podem fracassar nos outros lugares.

2ª consideração: talvez não seja melhor pra ninguém!

De onde vêm as melhores práticas? Você pode pensar que elas surgem de um processo sistemático e bem definido, mas na verdade a origem é mais complicada. O processo é mais ou menos assim: uma organização coleta dados de importantes empresas de um determinado setor. Isso é feito através de entrevistas com altos executivos e/ou pesquisas com funcionários de vários níveis.

A partir destes dados é identificado um conjunto bruto das melhores práticas, executadas por essas grandes empresas para obterem sucesso. O conjunto é então despido de especificidades e refinado em algo que seja suficientemente generalizado para que seja aplicado em outras empresas. Superficialmente, não há nada de errado com esse processo contanto que seja feito de forma sistemática, coerente e cuidadosa.

O problema é que a relação entre as melhores práticas e o sucesso organizacional é extremamente difícil de demonstrar. Muitos fatores levam ao sucesso, e as melhores práticas identificadas são apenas parte de uma grande gama de possibilidades. A melhor prática talvez não beneficie a empresa. De fato, pode-se argumentar que as práticas não podem ser integralmente desvinculadas do contexto organizacional.

Além disso, enquanto as empresas de consultoria sempre realizam pesquisas sobre as melhores práticas das empresas líderes de um determinado setor (as top 10), elas, raramente, verificam o desempenho das empresas inferiores. Por que deveriam se importar? Porque é possível que elas estejam usando as mesmas ‘melhores práticas’ que as líderes, o que significa que os fatores associados ao sucesso também podem ser associados ao fracasso.

3ª consideração: ela pode te deixar menos competitivo, não mais!

Ao adotar melhores práticas setoriais, as empresas deixam de se diferenciar dos concorrentes. Este fato se acentua quando as melhores práticas são incorporadas aos planos de reengenharia dos processos, promovido pelas empresas de consultoria, ou embutidos em pacotes de software empresarial, como o SAP.

Dado que estes sistemas são fundamentados em processos padronizados, e suas customizações caríssimas e complicadas, as empresas de setores com altos índices de adoção do SAP acabam sendo muito semelhantes entre si, assim as pressionando a construir pontos de diferenciação competitiva sobre fatores que estão fora do controle da aplicação empresarial. Portanto, mesmo que a melhor prática seja móvel (1a consideração) e que realmente aponte para o sucesso (2a consideração), na melhor das hipóteses, as melhores práticas o colocam a par de seus concorrentes.

4ª consideração: é desmoralizante!

Por fim, a implementação de melhores práticas pode ser desmoralizante para funcionários que trabalharam duro para desenvolver e implementar outras práticas. Definitivamente, quando se aplica as melhores práticas em uma organização, você está dizendo que as práticas existentes são inferiores. Embora isso possa ser verdade, isso também pode incomodar os funcionários. Seu pessoal investe bastante em processos e práticas, como usuários e designers. Se você não tiver cuidado, pode haver resistência passiva ou ativa às novas ‘melhores’ práticas.

Conclusão

No papel, as melhores práticas são fáceis de vender. Quem não quer se associar ao ‘melhor’? No entanto, é importante refletir sobre o verdadeiro valor da adoção das melhores práticas em sua organização. Em algumas situações, será a coisa certa a fazer. Mas, em outras, os custos podem encobrir os benefícios.

Quando houver oportunidade de adotar as melhores práticas, faça as seguintes perguntas:

– A melhor prática é sólida o suficiente para ser aplicada a uma variedade de empresas?

– A melhor prática será melhor para minha empresa?

– Quão rigoroso foi o processo usado para identificar e modificar a melhor prática?

– Minha empresa perderá diferenciação competitiva se a melhor prática for adotada, dada a quantidade de empresas em meu setor que já a adotou?

– Quanto terei de modificar minhas práticas existentes para adotar as melhores práticas e, sendo assim, valerá o esforço?

Posted in Gestão | Leave a Comment »

Google oferece sites grátis para pequenas empresas

Posted by HWBlog em 26/06/2011

De olho em mais de 5 milhões de pequenos empresários, o Google criou o Conecte Seu Negócio. O programa vai oferecer privilégios a micro e pequenas empresas para que elas tenham presença online. Hospedagem e domínios gratuitos fazem parte do projeto.

Para o presidente do Google Brasil, Fabio Coelho, o programa chega no momento em que o Brasil se consolida como economia global e como um país conectado. “Acho que o programa tem tudo a ver com o compromisso global que temos no Google de apoiar e prestigiar as pequenas e médias empresas. A gente faz isso na crença de que estar na internet torna os negócios mais sólidos e abrindo essa segunda loja, online, fica mais fácil crescer e exportar”, explica Coelho.

Em parceria com Sebrae, HP e Yola, o projeto vai oferecer a primeira anuidade do domínio grátis aos primeiros 5 mil inscritos. Os outros novos registros pagarão R$ 29,95 por ano. Além disso, os empresários terão acesso a programas para criar e hospedar sites de graça “para sempre”, segundo a empresa.

O foco da empresa é atender pequenas empresas e quem deseja ter um negócio nos próximos dois anos. Do Google, os empreendedores terão R$ 150 em créditos da ferramenta de publicidade da empresa, o Google AdWords. O Sebrae entra com o papel de educar e promover eventos para atrair mais empresas para a rede.

Todas as atividades serão concentradas no site do Conecte Seu Negócio. Os empresários devem verificar a disponibilidade do domínio, fazer o registro com um CPF ou CNPJ e começar a construir o site. Segundo a empresa, os usuários terão ferramentas da Yola – que marca sua entrada no mercado brasileiro – à disposição para definir layout, formatação de página e conteúdo. “É importante despertar nas empresas a necessidade de estar na internet. O que será dos negócios do mundo sem a internet?”, questiona o diretor presidente do Sebrae, Luiz Barretto.

O programa já existe em onze países e chega à América Latina através do Brasil. Irlanda, Canadá, Itália e Reino Unido já contam com o programa. Segundo o Google, só na terra da rainha 125 mil sites foram criados através da ferramenta. “Essas empresas conseguem alcançar mercados que antes não conseguiriam e vem ao encontro de uma característica brasileira que é ser empreendedor por definição”, diz Coelho.

A HP, que oferece computadores e impressoras com descontos, a Serasa Experian, que deve ter promoções especiais de seus produtos no site, e a CNI – Confederação Nacional da Indústria também são parceiros do projeto.

Posted in Tecnologias | Leave a Comment »

Os 10 erros que um chefe pode cometer

Posted by HWBlog em 26/06/2011

Em minha experiência profissional de 38 anos exerci diversos cargos de chefia, e posso afirmar que os dez maiores erros que um chefe pode cometer são:

Primeiro erro: má comunicação. É um chefe não dizer exatamente o que ele quer e depois reclamar que o subordinado não fez o que ele queria e como ele queria.

Segundo: não elogiar. Se um chefe não sabe reconhecer um trabalho bem feito, o subordinado não terá estímulo para fazer melhor ainda.

Terceiro: criar um ambiente de desconfiança. Isso acontece quando o chefe critica um subordinado para outro subordinado, ao invés de falar diretamente.

Quarto: não defender os subordinados. Chefes devem ser um escudo para o seu pessoal. E não um cúmplice das críticas alheias.

Quinto: prometer o que não pode cumprir. Muitas vezes, para incentivar os subordinados, os chefes fazem promessas que dependerão de aprovação superior.

Sexto: não cumprir o que prometeu. Quando o chefe esquece o que falou, o subordinado deixa de acreditar em novas promessas.

Sétimo: aceitar bajulação. Chefes que apreciam puxa-sacos, perdem o respeito do resto dos subordinados.

Oitavo: falta de educação. Chefes que tratam os subordinados na base do grito, ou da ofensa, não estão mostrando poder. Estão demonstrando insegurança.

Nono: fugir da responsabilidade. É empurrar um problema com a barriga ao invés de dar uma resposta clara para um subordinado.

Décimo: e pior de todos: soberba. Achar que por ser chefe, virou deus. O chefe é apenas “um igual” que tem um título, temporário e provisório.

Posted in Gestão | Leave a Comment »